Tag Archives: saber

Cuidados de Pele – O Tipo de Pele

19 Nov

O primeiro post de cuidados de pele do Invicta Maquiagem versou sobre os tipos de pele e como os identificar. Continuo a ver tanta desinformação sobre o tema que não me canso de bater na mesma tecla! Revisitamos hoje este artigo de Março de 2012.

Invicta Maquiagem

Depois de pensar um pouco, achei que o melhor mesmo era “começar pelo começo”. Que sentido faria estar a recomendar produtos e tratamentos e dizer que eram excelentes para uma pele seca ou para uma pele oleosa se não cheguei a explicar como saber qual é qual? Aproveito a segunda-feira e o primeiríssimo artigo sobre cuidados de pele para colocar tudo em “pratos limpos”.

Infelizmente, não é fácil determinar o tipo de pele de cada um. Não só porque o tipo de pele muda consoante vários factores (que vamos discutir em breve), mas porque podemos ter características de um e de outro tipo de pele. Por exemplo, a minha pele é mista com tendência a oleosa e sensível. Vêm? São três tipos de pele no rosto de uma pessoa só! Vou tentar simplificar para que também possam determinar o vosso tipo de pele.

Pele Oleosa

A maioria de nós já teve este…

View original post mais 541 palavras

Anúncios

Aconselhamento Dermocosmético Personalizado

12 Nov

Já mencionei no Facebook mas sei que nem todos estão atentos a esta rede social, de modo que resolvi falar aqui do assunto.

anti-aging-creams-2

Trata-se de um serviço que o Invicta Maquiagem juntamente com a Farmácia Cosme, Suc. no Porto vem oferecer. São, tão simplesmente, “consultas” de aconselhamento sobre cuidados de pele e produtos mediante cada um. Uma pessoa telefona a marcar hora de aconselhamento, aparece na hora marcada e eu vou conversar com a pessoa, entender a sua pele e as suas necessidades e aconselhar produtos de farmácia que ache adequados. Não há obrigatoriedade de compra (se bem que eu gostava muito que levassem o que aconselho!), as marcas que mais vou trabalhar a principio serão Uriage, Eucerin, Roc, La Roche-Posay e Avéne porque são marcas com preços diferentes, produtos diferentes e que cobrem a grande maioria dos problemas de pele que se encontra no dia-a-dia. São também marcas com escolhas adequadas a todos os tipos de pele, marcas nas quais confio e que me dão garantias de eficácia e segurança. Como saberão adoro estar em cima de todas as novidades e pela minha parte, podem contar com que eu dê o meu melhor para vos ajudar a ter a pele que sempre desejaram.

Será possível terem contacto com alguns produtos na medida em que estarão disponíveis alguns testers e eventualmente amostras e será possível, em boa parte dos casos, terem algum contacto com os produtos para realmente sentirem que será agradável de usar. O aconselhamento é gratuito, funciona de segunda a sexta da parte de tarde e só e exclusivamente por marcação com a Farmácia Cosme, Suc. Ao ligar, mencionem por favor uma consulta de aconselhamento dermocosmético que quem vos atender já vai saber do que se trata.

A Farmácia Cosme fica na Rua Costa Cabral, 584, a cerca de 100m da saída de metro dos Combatentes (quem sai pela escada rolante à direita). O staff da Farmácia é muito amável e competente, sempre disponível e com muita formação para também aconselhar (e bem) caso necessário.

Portanto, aqui fica o convite. Espero que aceitem e que me venham visitar. É claro que o blog continuará a sua vida normalíssima, vou continuar a responder aos vossos e-mails, comentários e mensagens via Facebook, mas enfim, é sempre bom abrir caminho também ao contacto pessoal.

Maquiagem – Escolher Uma Boa Máscara

4 Out

Oh, tarefa das tarefas! Ou a amiga recomenda, ou se compra meio às cegas porque todos se excepção sabemos que a publicidade das máscaras é a mais enganosa que para aí anda! Experimentar nas pestanas antes de comprar está proibidíssimo por questões de higiene, por isso há algumas pequenas observações a ter em conta.

máscara pestanas cilios escolher

Já vimos que coisas como “testado oftalmologicamente” não significam nada ou quase nada, sabemos que a publicidade tem sempre a presença de pestanas postiças e de edição de imagem (vulgo, Photoshop), sabemos que os “estudos” que dizem que 85% das mulheres estão satisfeitas também não nos ajudam em muito porque no caso estas mulheres são escolhidas por já terem pestanas perfeitas (e qualquer máscara lhes fica bem então estão satisfeitas de certeza)… Já sabemos que há duas fórmulas básicas de máscara (para alongar, um produto mais fluido e para dar volume, um mais espesso) e que a grande diferença reside no aplicador (quanto mais gordinho, mais volume dá). Isto tudo já nós sabemos, e então o resto? Afinal como havemos de escolher?

Olhar bem para o tester é a única coisa que na verdade podemos fazer. Esta máscara estará aberta há bastante tempo e terá andado na mão de toda a gente e devemos tornar isso a nossa maior vantagem – a máscara dará indicações de como vai reagir quando já estiver em nossa casa a não estiver propriamente novinha em folha.

Ao abrir o tester devemos reparar na “boca” do tubo e no aplicador/varinha, principalmente. Devemos ver se o “stopper”, aquele anelzinho de borracha à saída do tubo está em boas condições e se está a cumprir a sua função, que é a de impedir que a varinha saia com produto a mais.  Se tal não acontecer, é garantido que o resultado vai ser um amontoado de pestanas coladas umas às outras. Voltando à forma do aplicador, um aplicador maior é apropriado para olhos maiores e para pestanas que precisem de mais volume, os aplicadores em silicone ou borracha não devem, de maneira nenhuma, ser demasiado flexíveis e moles. Não que isto tenha grande influência em como a máscara fica quando aplicada, mas acreditem que um aplicador flexível não é prático para abrir e fechar a máscara às pressas de manhã – fala a experiência!

O aroma é importante, e não, não é esquisito ficar a cheirar o tubinho. Uma máscara com um mau cheiro ou está estragada, ou vai incomodar. Não entendo muito bem o porquê do perfume na máscara a não ser que o produto cheire mesmo muito mal, mas enfim, chamemos-lhe marketing. A cor também é importante, salvo as máscaras incolores, queremos um produto pigmentado e bem! Expliquei a melhor maneira de experimentar máscara  há muito tempo, o truque foi-me ensinado pela minha Mãe logo quando comecei a gostar de maquiagem e é passar o aplicador pelos pequeninos pêlos dos braços. Vemos a cor, vemos a quantidade de cor depositada, vemos se há muitos grumos e conseguimos perceber se há volume adicionado ou nem por isso. Em algumas máscaras percebemos um alongamento, mas nem sempre é o caso, infelizmente. Todos os métodos têm as suas falhas.

Quando vou a alguma loja de cosméticos, nunca falha, vejo sempre pessoas a experimentar máscara dos testers. Sujeitam-se a apanhar conjuntive, que é não só inestética como incómoda e altamente contagiosa, bem como outras doenças que nem é bom mencionar tipo herpes (sim, é possível ter herpes nos olhos e não é nada agradável, aviso já). Eu sei, todas adoramos as nossas pestanas, mas a vaidade não vale um risco assim, pois não?

Perguntas E Respostas 27: Usar Muita Maquiagem

23 Ago

A Cris perguntou aqui no site:

Olá! Para começar o meu primeiro comentário (!) digo-te que descobri o blog mais-ou-menos por acaso, mas gosto muito! Adoro que tenha post diários… sei que posso sempre contar com uma novidade.  Mas bem, esta questão da muita-maquilhagem-que-parece-pouca tem mesmo a ver com um “problema” com que me deparo. No dia-a-dia uso base, corretor, pó e bronzer, e tudo corre mais ou menos bem. Mas se quero uma melhor cobertura, se ponho blush e iluminador já acho que fica tudo com um aspeto empastado (e não me parece que o problema seja excesso de produto)… Mas base mais corretor, mais pó mais iluminador em cima… parece-me logo muito artificial, (o que já sei que não queremos ) em vez de ficar com aquele aspecto lindo que vemos nos tutoriais… Se faço todos os passinhos da “pele perfeita” acabo é com camadas de produtos que não ficam nada naturais. Tens alguma sugestão? Ou a pergunta é muito confusa?  De qualquer modo, obrigada pelo teu trabalho!

Perguntas e Respostas

Olá Cris! Não, a pergunta não é confusa. A resposta é que o pode ser, há imensas causas para o que descreves. Antes do mais quero só salientar que a “pele perfeita” não é natural, ninguém a tem, absolutamente ninguém e uma coisa que não existe nunca passará por natural ainda que seja preciso um olho muito treinado para ver as coisas como elas são. Quanto às razões para o que mencionas, as mais óbvias são a tua percepção (se não estás habituada a ver-te com tanta maquilhagem vais achar que efectivamente estás demasiado maquilhada) e o facto de que foto e video distorcem a intensidade da maquiagem e o que vemos nos tutoriais maior parte das vezes é algo que nunca veríamos na rua – uma câmara desbota imensamente a maquiagem, por isso está lá sempre mais do que aquilo que parece. Ao aplicarmos maquiagem como nos é indicado e como vemos em pessoas que não estão ao vivo ao nosso lado, tudo fica diferente.

Outra causa para o que dizes pode ter a ver com o tipo de pele. Uma pele marcada (uma pele jovem com cicatrizes de acne ou uma pele madura com algumas rugas, por exemplo) ou uma pele mais grossa (a pele de um homem, a pele de uma pessoa que não esfolia convenientemente) aceitam muito pior a maior quantidade de maquiagem. O mesmo vale para uma pele seca que requer um método de aplicação específico para que o(s) produto(s) assente(m) bem (tudo à base de “batidinhas”) e também para uma pele oleosa que também requer outro tipo de cuidados (o primer é imprescindível para que a oleosidade da pele não afecte o produto e o faça “escorrer”).

Algo de que poucas vezes se fala é a incompatibilidade dos produtos, seja ela da formulação (produtos com bastante óleo não se misturam bem com produtos à base de água, por exemplo) ou da ordem de aplicação (todos os cremes primeiro, seguidos do pó de rosto e só depois os restantes pós).

Partindo do principio que a tua pele está bem cuidada e  não tem problemas de maior e que os produtos são compatíveis e estão bem aplicados, ficam algumas dicas extra:

  • Deixar os produtos assentar antes de aplicar outro por cima é muito importante – está e a causa mais comum da maquiagem empapada;
  • Várias camadas finas são melhores do que uma só mais espessa – particularmente importante no caso da base, além do quê também ajuda na durabilidade. É importante deixar secar/assentar bem as camadas;
  • Trabalhar bem o produto – também tem a ver com base, corrector e pó, um produto que seja mais trabalhado na pele, quase como que massajado terá um acabamento mais natural;
  • Usar produtos multi-usos – se se pode usar um blush iluminador para o efeito que se quer conseguir, porquê usar blush + iluminador? Uma base com acabamento em pó também é uma mais valia se o tipo de pele assim o pedir porque evita a camada de pó;
  • Uma base ligeira (cobertura leve) e corrector onde é necessário é mais natural do que usar uma base de cobertura total. Raras são as pessoas que necessitam de uma base cobertura total por todo o rosto, maior parte das pessoas tem apenas áreas problemáticas que podem e devem ser corrigidas especificamente;
  • Cores adequadas são um must. Muitas vezes vemos pessoas “muito maquiadas” que a verdade têm pouca maquiagem, mas está é mal escolhida. Quem nunca viu o caso clássico da sombra azul com batom vermelho? Uma sombra e um batom não é assim tanta maquiagem, mas quando as cores chocam entre si ou, especialmente, quando não são adequadas ao tom de pele daquela pessoa, a pessoa em causa passa por muito maquiada quando apenas está mal maquiada no sentido em que a escolha dos produtos foi paupérrima;
  • Cuidado com o iluminador – falo aqui por experiência mais do que por qualquer técnica de maquiagem. É o único produto que tem o poder de me fazer sentir demasiado maquiada e olha que uso maquiagem no dia-a-dia e a minha cara aguenta imensa maquiagem pelo tom de pele, tipo de pele e estrutura óssea. Maior parte dos iluminadores é de si muito pouco natural – ou dá um brilho plástico (nada natural), um brilho húmido (estilo a aparência daquela senhora de idade que te dá um beijinho na cara e ficas com a face molhada de tanta base que ela tem posta), um brilho demasiado óbvio (glitter/purpurina em vez de partículas reflectoras), um brilho demasiado claro (depende da cor da pele, o que é claro para uma morena pode ser ideal para uma loira, por exemplo) ou simplesmente demasiado gritante! Vamos convir, ninguém brilha com a luz, só os vampiros do Twilight. Como vês, escolher o iluminador próprio para cada pessoa é uma ciência em si e o que a menina do tutorial usa debaixo de luzes e respectivos reflectores e que tu vês através de uma câmara e de um monitor pode ou não ser o que tu queres usar na rua em plena luz do dia.

Talvez não fosse a resposta que querias, mas é o mais sincero que consigo dar. Espero ter ajudado e, claro, alguma dúvida, já sabes, basta falar!

Cabelo – Informação Básica

29 Jul

Depois de muito pensar e de ter sido encorajada por alguns leitores, resolvi falar um bocadinho sobre cabelo! Hoje vou dar alguma informação básica, uma espécie de compilação de informação para ficar de referência a artigos futuros. Afinal de contas, unhas e cabelo (pêlos em geral) também fazem parte da pele!

cabelo trança

Quando pensamos em cabelo, o que vem à ideia é o cabelo que está na cabeça, mas na verdade deveríamos incluir todos os pêlos que temos. A quantidade e a espessura do pêlo varia conforme a localização no corpo, idade, sexo e conforme estamos de boa saúde ou não. A função do pêlo varia conforme a sua localização: se na cabeça serve para aquecer e para proteger um pouquinho uma área são sensível do corpo humano, nas sobrancelhas por exemplo serve para proteger os olhos do suor da testa e de parte das poeiras finas que atingem o nosso rosto no dia-a-dia.

O cabelo vem da sua raiz, que fica na derme. Aqui, as células juntam-se todas e começam a sair progressivamente e acabam por passar parte da derme e a epiderme para onde finalmente o podemos ver. As células são alimentadas por capilares (veias extremamente finas, digamos assim), mas a porção de cabelo que podemos ver já não está vivo. O cabelo que está na nossa cabeça cresce entre 1 a 1,5 cm por mês e cada pessoa tem um comprimento máximo ao qual o seu cabelo é capaz de chegar – há quem consiga deixar o cabelo crescer indefinidamente, mas há quem só consiga ter o cabelo até meio das costas, altura a partir da qual ele simplesmente não consegue crescer mais.

Cada dia, cerca de 50 a 100 cabelos caem naturalmente, sendo que na Primavera e no Outono este número aumenta. Isso é normal, é o ritmo a que o cabelo se renova e quando um cabelo cai, outro logo começa a nascer (noutra raiz). Cada cabelo crescerá em média durante 2 a 6 anos, depois ficará uns meses sem crescer e acabará por cair. Esta raiz ficará parada uns meses ou uns anos e depois lá dará lugar a outro cabelo. É a este processo todo que chamamos o ciclo do cabelo.

Quanto a tratar do cabelo, a essencial é a limpeza adequada com produtos que limpem mas não retirem o óleo natural e tão benéfico e essencial para um cabelo bonito e saudável. Nada de usar as unhas quando se lava o cabelo!!! Não convém puxar demasiado, ser demasiado agressivo com a toalha nem pentear quando o cabelo tem nós e está a resistir à escova. O condicionador/máscara não é essencial, mas certamente ajuda a ter um cabelo bonito. Para quem tenha o cabelo fino ou sem volume e ache que o condicionador “pesa” ainda que não chegue às raízes, há já condicionadores específicos para cabelo fino ou, em alternativa, devem aplicar o condicionar primeiro e só depois o champô.

Espero que tenham gostado! Querem ver mais sobre este tema aqui no blog? O próximo artigo será sobre mitos relacionados com o cabelo.

Maquiagem – Como Escolher Pincéis

20 Jun

Como sabem, os pincéis são essenciais para uma maquiagem bonita e favorecedora. A aplicação correcta é tão ou às vezes mais importante quanto o produto usado – acreditem, um produto bom e caro pode, quando mal aplicado, ter resultados piores do que um produto de qualidade duvidosa aplicado correctamente. 

maquiagem, maquilhagem, pincel

 

Já há mais de um ano que vos contei as coisas mais básicas sobre pincéis e vos falei de quais os pincéis essenciais que devemos considerar comprar. Entretanto, fica a dúvida: como comprar? Como escolher? Como é que eu sei se um pincel é bom antes de o usar?

O primeiro tópico que quero frisar é que os pincéis são um investimento e que um item de qualidade que seja bem estimado dura décadas mesmo com uso diário. Assim, ao comprar, devemos focar-nos na qualidade e não na quantidade. Eu sei perfeitamente que na Internet somos bombardeados por sets de 30 pincéis ao preço da chuva e também eu sou culpada de sucumbir à tentação! Contudo, será que a maioria das pessoas que se maquiam a sim mesmas no seu dia-a-dia precisam de 10 pincéis diferentes para maquiar os olhos quando sabemos que 2 ou 3 chegam? Comprem qualidade. Não quero dizer que a qualidade não esteja a um preço simpático por vezes, mas quando a esmola é muita, aconselho a desconfiar.

A segunda ideia é pensar no uso que vão dar. Quem usa só base em creme ou líquida não precisa de comprar um pincel de base com fibra natural, por exemplo! Cada pincel tem o seu uso e devemos conhecê-lo para fazer um juízo adequado antes de cairmos de amores por uma belezinha de pincel que nunca vai ter uso. Já agora, um pincel para esbater é arredondado na ponta e um para colocar produto é mais achatado! É sempre bom lembrarmo-nos disso quando estamos às compras.

Um bom pincel não é um pincel imensamente fofinho – os pincéis mega-fofos não agarram pó em quantidade suficiente porque o pó é agarrado nas cutículas do pêlo e um pêlo com as cutículas abertas e prontas para segurar o pó não é tão macio assim! Claro que também não deve arranhar, o bom-senso impera sempre. Experimentem o pincel no lado de dentro do pulso e logo vêm se é macio demais, áspero demais ou então perfeito (sim, ao melhor estilo “Caracóis Dourados”).

Um bom pincel é resistente. Se por um lado uma meia dúzia de cerdas soltas são normais, ficar com o pincel pela metade à primeira lavagem não nos serve. Pegar no pincel e ver se o ferrolho (parte de metal) e o cabo estão aparentemente bem presos e um puxãozinho gentil nas cerdas dá-nos logo indicação de vamos ficar mal servidos ao primeiro uso.

“O barato sai caro”, sempre me disseram e é verdade! Apostar em qualidade e comprar com consciência também é poupar!

Perguntas E Respostas 20: Tirar Toda A Maquiagem

21 Abr

A Susana perguntou via Facebook:

Leio muitas vezes os teus artigos, especialmente os de cuidado de pele.  Sei que dizes imensas vezes que devemos retirar bem toda a maquilhagem, mas tenho uma questão. Como é que eu sei se retirei toda a maquilhagem ou não? Eu não a vejo, mas é possível que ainda haja resquícios da mesma! 

Perguntas & Respostas

Olá Susana! Realmente, é uma questão bem colocada e retirar bem toda a maquiagem é muito importante. Não é tão difícil como possa parecer e depende pouco maneira escolhida para desmaquilhar.

Seja o processo escolhido com algum tipo de creme, mousse, bálsamo ou outro produto que não precise de um disco de algodão, por exemplo ou seja o processo escolhido com com um líquido que já necessite de um suporte, os passos e os cuidados são mais ou menos iguais.

Devemos limpar bem o rosto e pescoço, não esquecendo as partes que menos atenção têm, como as abas do nariz, as partes mais laterais dos maxilares, entre outras. É muito normal esquecermo-nos destas partes da face! Devemos, sempre que possível, aplicar o desmaquilhante no rosto com o mínimo de água misturada já que assim as ceras e óleos normais da maquiagem são melhor quebrados e dissolvidos. Agora é altura de retirar o desmaquilhante com água, caso seja adequado ao produto escolhido. Depois, repetimos o processo – sim, desmaquilhamos duas vezes a não ser que usemos tonificante (já lá vamos!). Assim, assegura-se que não fica maquiagem para trás. Há quem use só desmaquilhante de olhos se não usa base ou se usa pouca maquiagem – é uma opção viável e cabe aqui falar dela.

Finalmente, há pessoas que gostam de lavar a face com água, outras que não gostam ou não devem por recomendação do Dermatologista. Se quiserem lavar o rosto com água e produto apropriado (sabonete, líquido de limpeza, etc.) podem fazê-lo – eu faço. De seguida, aplicar o tónico ou tonificante, caso o usem, ajuda sempre a melhor a limpeza da pele.

Espero ter ajudado e agradeço sempre todas as questões e sugestões de temas!

%d bloggers like this: