Tag Archives: Revlon

Maquiagem – Produtos De Lábios (Para Totós)

25 Out

Para totós (como nos livros) não será, não se zanguem com a brincadeira. É mais uma revisão da matéria dada sobre quem é quem no mundo da maquiagem de lábios, o que faz, para que serve, como se escolhe, o que eu gosto, entre outras coisas.

produtos de lábios

  • Bálsamo labial – É um produto emoliente que tem por propósito condicionar, hidratar e, sobretudo, reparar os lábios. É ideal para quando a pele dos lábios que é, já de si mais seca e sensível, está em más condições. Também pode ser usado à noite diariamente para previnir que estes gretem com o frio, secura do ar, ar condicionado e variações de temperatura e um uso comum é como SOS quando se quer aplicar um batom mais forte mas os lábios têm imperfeições e peles secas. Apesar de controverso, o meu favorito é o já famoso Carmex, especialmente o de cereja!
  • Esfoliante – Falamos já extensivamente sobre esfoliação de lábios, dos benefícios e de como se faz, bem como receitas caseiras para o efeito (que continuam a ser as minhas favoritas). Basicamente, pretende-se retirar as peles mortas e revelar a pele mais nova, viva, luminosa e bonita. É o que se deve fazer quando um bálsamo labial já não resulta no que toca a condicionar a pele;
  • Batom de cieiro (chapstick) – Cieiro é a reacção da nossa pele ao frio excessivo, à sensibilidade que este causa em nós. Mais comum é mesmo ter cieiro nos lábios, mas olhos, faces e pernas também sofrem frequentemente com este problema. O propósito do batom de cieiro é mais proteger do que curar propriamente, por isso, em dias de frio, não nos devemos esquecer do batom de cieiro. Há batons destes com SPF, que são também bons para nos proteger ainda mais, já que têm a dupla função. Há inúmeras marcas, mas os da La Roche Posay funcionam muitíssimo bem apesar do preço não ser exactamente mínimo;
  • Lápis de lábios – Serve para delinear os lábios para limitar o batom, para fixar o mesmo e, eventualmente dar cor, podendo até intensificar ou mudar a cor do batom que foi escolhido e até substituí-lo. É um lápis em tudo semelhante ao de olhos, porém quase sempre mais duro e em tons mais adequados ao que é costume usar na boca. É possível usar um lápis de olhos nos lábios, mas usar um lápis de lábios nos olhos não é recomendado por causa das ceras e pigmentos que constituem um lápis de lábios podem causar alergias nos olhos. Ultimamente tenho gostado bastante de trabalhar com os lápis de lábios da Sephora, da Kiko e também da sempre excelente Art Deco.
  • Manteiga de lábios (lip butter) – São bálsamos altamente hidratantes e macios em stick com cor! São um batom que deposita muito pouca cor, têm brilho e hidratam imenso. São fáceis de aplicar por não terem grande pigmento. As da Revlon são aceitáveis, lip butters não são realmente o mais próximo ao meu gosto, mas enfim;
  • Primer – Como todos os primers, querem-se para preparar para a aplicação da cor, fixar a mesma e disfarçar a textura que não é desejada. Muito sinceramente não experimentei ainda nenhum que me deixe maravilhada, ainda penso não haver o produto perfeito neste departamenteo. Fala-se bem do Prep + Prime da MAC, mas, lá está, ainda não consigo dizer que encontrei um primer de lábios que adoro;
  • Lip Stain – Outro produto que não me faz grande falta, é uma “tinta” líquida aplicada com um pequeno pincel ou numa caneta estilo feltro que mancha os lábios sem uma forma muito uniforme. Os da Rimmel são bonitos, mas como todos os stains, secam imensamente os lábios. Isto porque são à base de álcool e porque se não secassem assim tanto não tinham o poder de fixação que têm;
  • Batom – Feito à base de óleos e ceras (como é feito o batom), é um dos cosméticos que retém a sua forma original há mais tempo. É um marco da feminilidade, um clássico que nunca deixa de existir e nunca sai mesmo de moda. Há de todas as cores, de todos os acabamentos (mate, brilhante, acetinado, com glitter). Não consigo escolher uma marca, não me peçam para o fazer, não sou capaz!
  • Batom líquido – É um híbrido entre batom e gloss, tendo a facilidade de aplicação e conforto do gloss com as grandes vantagens dos bons batons que são a forte pigmentação e a grande durabilidade. O aplicador e o tubo é normalemente como de um gloss ou, então, vem numa pequena bisnaga e deve ser aplicado com um pincel. Os da Sleek são bons e acessíveis, não tão acessíveis mas igualmente bons são os da Shiseido;
  • Gloss – Desde os transparentes aos com pouca e muita cor, pode ser cristalinos ou com glitter. É um mundo, a escolha é infinita, mas o que os une a todos é o brilho que dão aos lábios fazendo com que estes pareçam mais jovens e mais preenchidos. Ultimamente ando muito bem impressionada com os da Flormar, cheiram a morango e são docinhos, docinhos! Há montes de cores, para quem gosta de gloss, vale mesmo a pena espreitar;
  • Lip & Cheek – São produtos específico e pensados para serem usados nas faces e nos lábios, como blush em creme e batom ao mesmo tempo. Usar o batom comum como blush pode não ser boa ideia põe causa dos poros que podem ficar entupidos e, consequentemente, dar lugar a borbulhas. Daí nasceu este conceito que não é nada novo porque já desde a Antiguidade se usou o mesmo produto para as faces e para os lábios.

Então? Esqueci-me de alguma coisa? Qualquer dúvida, já sabem, deixem nos comentários, mandem email ou apanhem-me no Facebook!

Anúncios

Maquiadores Famosos – Gucci Westman

30 Mar

A sua carreira começou com uma rebeldia de adolescente e desde então a carreira só fez progredir! Gucci Westman, hoje, aqui no Invicta Maquiagem.

Gucci Westman em pleno horário de expediente!

Gucci Westman em pleno horário de expediente!

Aos 10 anos foi de Los Angeles para a Suécia e aos 13 anos a mãe não a deixava usar maquiagem, de modo que ela a usava em excesso e maquiava as amigas – estranhamente, a história da minha vida! Foi aí que Gucci Westman descobriu a sua vocação. Anos mais tarde foi trabalhar para a Suíça, onde foi assistente de uma editora de moda e beleza. Essa mesma editora ajudou-a a entrar para uma escola de beleza em Paris, mesmo contra a vontade dos pais. Passou bastante tempo desencorajada porque achava que não era o tipo de pessoa mais adequada ao trabalho que queria fazer, mas acabou o curso e mudou-se de volta para a América.

Quando outra maquiadora fez exigências a mais a quem a tinha contratado, Gucci Westman ficou com o trabalho em causa – uma capa da revista Vanity Fair! Foi assim que chamou à atenção de revistas como a Vogue. Entretanto ficou mais conhecida do grande público por caracterizar Cameron Diaz para o seu papel em Being John Malkovich, onde “enfeiou”  a actriz de Hollywood. Tem trabalhado com muitas actrizes, mais para sessões fotográficas do que para tapete vermelho ou outras ocasiões.

Trabalhou para a Revlon e hoje em dia trabalha com a Lancôme no desenvolvimento da sua linha de cosméticos com cor.

Maquiagem – Base Revlon ColorStay Peles Mistas E Oleosas

18 Jan

É a minha queridinha do momento, parece que finalmente encontrei a base perfeita para mim. Confesso-me esquisitinha com as bases, mas esta, apesar de um ou outro defeito, dá-se comigo às mil maravilhas.

Base Revlon Color Stay

Base Revlon Color Stay

Esta base tem uma formulação própria para pele oleosa ou com tendência oleosa. Não é que a seque, mas absorve bem a oleosidade a mais. Não sinto a menor necessidade do uso de pó, nem para controlar a oleosidade, nem para a fixar. Falando em fixação, esta base resiste a tudo, transferindo pouco e quase não manchando a roupa uma vez que tem tempo de secar. A cobertura é média a total, sendo que eu, que tenho olheiras até sei lá bem onde, não sinto necessidade de corrector no dia-a-dia. Apesar da cobertura, a base é fácil de esbater e não faz “efeito máscara” com facilidade.

O preço é em conta, não chega aos 23€ na Marques Soares, e como a cobertura é bastante e a textura é bem espessa, não se gasta assim muita base de cada vez. Aplico com um pincel de dupla fibra como o da foto abaixo, sendo que coloco um pouquinho da base numa paleta ou nas costas da mão, toco-lhe com as pontas das cerdas brancas e aplico com batidinhas e movimentos circulares na face. Isto permite-me aplicar e esbater ao mesmo tempo – é prático e rápido, dá-me controle de quanto produto aplico e, consequentemente da cobertura que obtenho, de modo que acho que não posso pedir muito mais. Não notei que esta base oxidasse (escurecesse) na minha pele ao longo do dia: a cor que tem quando a coloco é a cor que tem quando a retiro.

Pincel Duo Fiber Face

Pincel Duo Fiber Face

A base tem um SPF baixinho, baixo o suficiente para não fazer o efeito feio de reflectir nas fotos com flash. Como saberão, acho o SPF nas bases profundamente ineficaz por razões técnicas e, como tal, a protecção solar baixa não me incomoda de modo nenhum. O “SoftFlex” que a base publicita na frente do frasco é algo que instintivamente ligo ao conforto que esta base tem. Apesar do acabamento natural (quase, quase mate), a base poderia secar e tornar-se desconfortável ao fim de algum tempo – tal não acontece e, na minha ideia, deve-se a este tal de SoftFlex.

Não, a base não é sem as suas falhas! Tem um aroma a plástico que é qualquer coisa que me lembra das bases do tempo da minha avó. Confesso que há dias em que me incomoda, mas também sou um bocadinho sensível a essas coisas e o meu olfacto é, modéstia à parte, bastante apurado. O outro defeito, que para mim é o maior, é a falta de uma “bomba”. O frasco tem um bocal redondo e aberto, sendo que é extremamente fácil dispensar base a mais. Não há controle absolutamente nenhum de quanta base deixamos sair do frasco. Compreendo que, porque a formula é um bocadinho espessa, uma bomba ou dispensador não é fácil e que aumenta o preço do produto, mas o frasco já é de vidro (o que encarece a base) e eu não me importava nada de pagar mais um bocadinho por um método de dispensa mais eficaz.

A selecção de cores é neutra (nem amarela demais, nem rosada de mais), o que me agrada bastante. Porém, e para referência, uso a cor NC 20/25 na MAC e, nesta base, uso a cor 180 – a mais clara à venda em Portugal. Reparei também no stand onde comprei que as cores mais escuras não estavam presentes.

Espero ter tocado em todos os assuntos que podem interessar e dou nota máxima a esta base. Recomendada. Recomendadíssima! Se houver questões, tenho todo o gosto em responder!

Ah, só mais uma coisinha: consegui o maravilhoso feito de partir (sem querer, claro!) a minha câmara fotográfica durante as festas. Não, não estava a tirar auto-retratos! Mas, enfim, quebrou, está quebrada e tenho que recorrer a outra por um tempo. Ainda estou a tentar ver bem como é que ela funciona e a adaptar-me a ela. Tem uma qualidade menor, mas, enfim, é que o se pode arranjar. Assim, não estranhem as fotografias diferentes!

Conversar Sobre Maquiagem 3 – Manas Pretty Exquisite

20 Set

Mais uma conversa aqui no Invicta Maquiagem! Hoje trago-vos duas das mulheres mais bonitas e mais cheias de estilo e glamour que conheço. Falo da dupla de irmãs Diana e Marlene Vinha.  As Manas Pretty Exquisite devem este cognome ao seu blog e à Consultoria de Imagem que  prestam (vejam aqui) e estão fotografadas abaixo pela lente do sempre competente Fred Gomes.

Marlene (à esquerda da imagem) e Diana (à direita)

Marlene (à esquerda da imagem) e Diana (à direita)

Olá Diana e Marlene! Obrigada por terem aceite estar à conversa comigo e com os meus leitores. O vosso blog, o Pretty Exquisite, é um espaço simples mas bonito, cheio de coisas lindas e ideias fantásticas. Admiro-vos imenso!

Quando é que se aperceberam que gostavam imenso de maquiagem e porque? Houve algum “clique”?

Marlene: Em primeiro lugar, quero agradecer à Micky a oportunidade de figurar no blog Invicta Maquiagem, que é um lugar que ela cultiva com muito carinho e dedicação.

Depois, em relação à pergunta e pelo que me conta a minha mãe, quando eu tinha cerca de um ano e estava ao colo dela, passava-lhe o dedo pelos lábios para tirar batom e pôr em mim. Por isso, acho que essas influências coquetes, vieram dela.

Sempre tive muito cuidado com a pele, e a maquilhagem ficou sempre em segundo plano, porque simplesmente não sabia usar. E sou a favor, de que se não sabe ou não há à vontade, mais vale não pôr nada.

O verdadeiro “amor”, nasceu há cerca de cinco anos, quando fiz um workshop de auto-maquilhagem com a Mónica Mota, que tirou o curso com a Antónia Rosa. É uma maquilhadora muito querida e sobretudo paciente, que na altura me ajudou a desbravar, sem medo, este universo, bem como a escolher o que se adequava melhor para mim. Foi uma mais valia, e tenho muita pena de não ter feito o curso mais cedo.

Diana: Faço minhas as palavras da mana, em relação ao convite! Obrigada Micky!

Confesso que a culpada da paixão voyeur e de consumidora de make-up veio da mana. Lá me calhou o lugar de cobaia, desde cedo. Isto dito com todo o amor e carinho. Tive também formação de maquilhagem no meu curso de Consultora de Imagem, mas desde sempre, o meu coração palpitou mais forte pelos trapos, sapatos e acessórios.

Então e marcas favoritas, têm? Porque é que diriam que essa marca vos agrada mais do que as restantes?

Marlene: Infelizmente, tenho…muitas! Derreto-me muito facilmente com embalagens e produtos bonitos, mas em termos de resultado, sou exigente. Assim, no topo tenho a Dior, a Revlon e Chanel.

Gosto de muitas mais, mas estas têm vindo a ganhar terreno no meu trabalho de maquilhagem, e no meu kit pessoal, e passo a explicar porquê. Porque com as sombras Dior, nunca ficamos mal. Os quartetos ou quintetos de sombras são fabulosos, com harmonias bonitas, acabamentos irrepreensíveis e uma articulação perfeita na forma como as sombras se encaixam entre si. Para além disso, uma das bases que uso -Diorskin Nude- ainda não foi destronada por mais nenhuma marca até ao momento.

A Revlon, porque é uma marca de paixão, sobretudo pelos batons e os vernizes. Fico contente que esteja a ter reconhecimento nos consumidores de maquilhagem cá, porque é de facto, muito boa. Apresenta propostas, ligeiramente, mais acessíveis em termos de batons mate e stick lip balm. Foi revolucionária nos vernizes perfumados e inovadora nos eyeglide e lipglide (que foram descontinuados , com muita pena minha).

Depois a Chanel, marca da qual não tinha muitos produtos até há pouco tempo, sobretudo pelos preços elevados. Mas a verdade, é que as bases têm conseguido conquistar-me. Sempre que uso qualquer uma, seja de linha for, é certo que o resultado vai sair impecável. Para além disso, blushes e batons, são igualmente maravilhosos. Ninguém pode negar!

Diana: Acho que partilho as mesmas marcas que a minha irmã, que mas dá a conhecer, sempre que alguma a surpreende. Mas confesso que, o meu olho divaga sempre, para marcas com embalagens bonitas e de inspiração vintage, como a Bourjois e a Lâncome.

Há algum produto de maquiagem (seja um produto em particular ou apenas um tipo de produto) que achem impensável não ter?

Marlene: Depois dos 30, acho impensável não ter corrector. Aliás, em qualquer idade, acho mesmo indispensável.

Diana: O corrector que me apaga as olheiras (até ao umbigo) todos os dias, a máscara de pestanas para me abrir os olhos ensonados pela manhã e o blush, sem o qual a nossa mãe diz que estou doente e que não me alimento em condições.

A dica ou truque de maquiagem mais útil de todo o sempre é….?

Marlene: cuidar da pele, sempre!

Diana: Dar beijinhos a um lenço depois de aplicar um batom extremamente pigmentado, para evitar que este migre para os dentes.

Contem-nos um história engraçada, curiosa ou interessante que tenha acontecido a cada uma e que envolva, de algum modo, maquiagem.

Marlene: Pensei várias vezes sobre esta pergunta, e por enquanto só me acorre uma e que envolve pestanas falsas. Numa saída à noite, maquilhei-me em casa de uma colega, e pus pestanas falsas. Quando ía a colocar a segunda tira, não sabia dela, mesmo tendo procurado em tudo que era sítio. Como não tinha disponível mais nenhum par, a solução foi tirar a que já tinha colocado. Já a meio da noite, alguém começou a sacudir-me o braço muito aflita a dizer que tinha um bicho enorme lá….quando afinal era a tira de pestanas farfalhuda que estava colado junto ao cotovelo!

Diana: Como não arrisco muito, à excepção de quando sou maquilhada por outros (quase sempre pela minha irmã), confesso que não existe muita margem para situações curiosas ou engraçadas, porque o resultado é sempre de mestre.

Mais algum comentário ou mensagens que queiram aqui deixar a quem, como vocês e como eu, tenha uma paixão pela maquiagem?

Marlene: ousem mais na maquilhagem. Não quero com isto dizer exagerar, se não se sentem bem, mas sim arriscarem-se neste universo nos ajuda a sentir mais bonitas.

Diana: usem bons produtos e adequados a vocês, mesmo que sejam poucos e, sobretudo, tratem bem da pele e não usem a maquilhagem como máscara ou camuflagem, mas sim como um upgrade daquilo que têm de melhor.

Obrigada, meninas! Fiquei muito feliz por terem aceite o meu convite. Adorei ter-vos por cá.

Quanto a quem lê, por favor, não se esqueça de visitar o site Pretty Exquisite e o blog que lhe corresponde. As manas Diana e Marlene Vinha fazem um excelente trabalho no seu blog, bem como na prestação de serviços de Consultoria de Imagem aqui no Porto. Recomendo-as vivamente!

%d bloggers like this: