Tag Archives: pincel

Novidades – Novos Pincéis Masterclass da MAC

6 Nov

A novidade do dia é a confirmação oficial da Naked 3 da Urban Decay, mas façamos de conta que ela não vai existir (está difícil) e foquemo-nos nos pincéis inovadores que nos traz a (quase) sempre adorada MAC.

MAC Masterclass Brush Collection

MAC Masterclass Brush Collection

Pois é, são assim um bocado para o esquisito e está bom de ver que o primeiro comentário do Mundo em geral é que parecem escovas de dentes. Mas não são! São pincéis aparentemente melhor adaptados à auto-maquiagem, ou seja, a cada pessoa a maquiar-se a si mesma. São desenhados para ser ergonómicos, ou seja, fáceis de segurar e de usar de maneira confortável, são de cerdas sintéticas para serem fáceis de cuidar, macios e, sobretudo, poderem ser usados com cremes ou pós. Há três pincéis diferentes, o Linear 1 (fino, para desenhar riscos precisos), Oval 3 e Oval 6 (ambos muito semelhantes, sendo o 6 de maior dimensão) e todos têm também uma cabo com borracha para não escorregarem. Enfim, quem nunca na vida conseguiu perceber como se segura num pincel correctamente, quem se sente 100% inapto a usar pincéis mesmo depois de tentar muito e com muita boa vontade, talvez tenha encontrado a solução para os seus problemas.

MAC Masterclass Brush Collection - Frente

MAC Masterclass Brush Collection – Frente

O Linear 1 tem as cerdas curtas e firmes, precisamente para poder fazer linhas definidas sem borrar. Pode ser usado com líquidos, cremes ou pós, serve para delinear olhos, preencher sobrancelhas (até mesmo “desenhando” os pelinhos e também como pincel de lábios delineando e aplicando batom numa ferramenta só). Na minha opinião de quem ainda não experimentou mas já está a imaginar a utilidade deste pincel, a teoria é que, de todos, é o pincel que terá mais uso. Isto porque seria interessante usar com a técnica “carimbo” usando sombra em vez de outro tipo de eyeliner e já que a mão não fica exactamente em frente ao espelho, vemos melhor o que estamos a fazer. A tal técnica tem um nome bastante descritivo e consiste em pegar no pincel, colocar lá sombra e literalmente transferir a linha pressionando onde desejamos sem arrastar e sem aquele eterno problema de tremer a mão ou fazer o risco mais fino num olho do que no outro. Fica prometido um foto tutorial sobre o assunto, assim que eu arranjar uma vítima, digo, modelo voluntária.

O Oval 3 tem uma forma oval (inesperado, não?) alongada com uma ponta mais definida para dar alguma precisão. Sombras em creme ou pó, corrector em creme ou líquido, iluminador sob qualquer forma entre outros produtos são aplicados e esbatidos logo num passo só. É pequeno o suficiente para aplicar sombras, ou seja, também será possível usar para aqueles recantos mais estreitos da face como em torno das abas do nariz, por exemplo. O Oval 6 é maiorzinho apesar de ter um formato em tudo semelhante à parte de não ter uma ponta mais alongada. É tão maior que serve para aplicar base, pó, blush e contorno, mais uma vez, aplicando e esbatendo logo de uma vez só. Para mim será o que menos utilidade terá com a premissa de que servem para aplicar os produtos sem atrapalhações – atrapalhações essas que serão já de si menor porque o pincel é maior!

A MAC fez esta colecção a apostar no consumidor final, na mulher comum que quer rapidez e facilidade no seu dia-a-dia mas não se pode negar que também quis apelar à estética futurista, na novidade, na surpresa. É esperar para ver! Não vão substituir os pincéis tradicionais, mas serão uma adição válida a qualquer colecção de pincéis. Pincéis angulares já existiam, em especial para eyeliner (tipo assim), mas pronto, haja inovações!!!

Anúncios

Perguntas E Respostas 30: Cuidar Dos Pincéis

10 Out

A Filipa perguntou via e-mail:

Micky, encontrei o teu post sobre pincéis por acaso, esta a pesquisar no Google, li e gostei muito. Comprei há pouco alguns pincéis e gostava de saber tratar bem deles. Podes ensinar-me? Obrigada.

Perguntas e Respostas

Olá Filipa! Não é uma tarefa difícil, se bem que dá um pouquinho de trabalho. Porém, é imprescindível para que o investimento que se fez em pincéis seja bem rentabilizado.

Primeiro vamos ver como lavar os pincéis:

  • O ideal para a limpeza mais a fundo é lavar mesmo com água e detergente (já vamos ver que tipo de detergente usar), esta limpeza deve ser feita uma vez por semana ou sempre que se usar uma cor mais forte e intensa – isto pressupondo que são de uso pessoal e só nós usamos os nossos pincéis;
  • O detergente ideal para usar quando limpamos os pincéis é um champô apropriado que se vende nas lojas de maquiagem ou, em alternativa, um champô comum desde que seja suave – contudo, champô de bebé não é aconselhado porque estraga as fibras dado ser muito alcalino (pH alto). Quando o pincel está indecentemente sujo ou quando está sujo de um produto de longa duração ou à prova de água, deve-se usar um produto oleoso para retirar este resíduo (óleo desmaquilhante) e só depois retirar o óleo com o champô;
  • Deve-se aplicar o detergente do qual acabamos de falar nas cerdas secas, fazendo movimentos para trás e para a frente, e nunca circulares ou de “abrir” as cerdas. A fricção pode e deve ser feita contra a palma da mão ou os dedos mas sem exageros de força. Aí sim, deve ser passada água morna ou fria (nunca quente) até que esta saia limpa e sem vestígios de espuma, continuando com os movimentos de vai-e-vem. Deve ter-se o cuidado de não deixar água entrar para o ferrolho (a parte de metal);
  • Depois, é necessário espremer gentilmente as cerdas para que saia a água e tentar o melhor possível ajudar o pincel a voltar à sua forma natural, “penteado” com os dedos e rearranjando as cerdas;
  • Para secar, é preciso saber que os pincéis devem ser secos na horizontal, idealmente com uma ligeira inclinação de modo que as cerdas fiquem num plano mais baixo, o que permite que a água escorra e nunca chegue a entrar para o ferrolho, não danificando assim a madeira do cabo nem a cola que mantém as cerdas e o cabo juntos. Uma toalha rosto dobrada para fazer altura é uma maneira fácil de criar um plano levemente inclinado;
  • O pincel sintético seca mais depressa do que o natural, de modo que esta também é uma das grandes vantagens de comprar pincéis de fibra sintética tratada (também chamados vegan) como é cada vez mais comum encontrar hoje em dia.

E mais dicas importantes:

  • Secar com o secador de cabelo ou ao sol é péssima ideia! Estraga as ceras e faz com que elas descolem muito mais facilmente, deixando-o inutilizável! O pincel deve secar muito bem, alguns (kabuki, por exemplo) podem demorar até 5 dias a secar completamente, mas se isso não acontecer, bactérias e fungos vão ser passados para a pele sempre que se usar o pincel, o que não é nada boa ideia;
  • Quando os pincéis estiverem secos, o ideal é armazená-los na horizontal ou então na vertical (num copo ou suporte), tendo sempre o cuidado de não virar ou dobrar as cerdas para não as marcar nem partir;
  • Pincéis sintéticos tradicionais são ideais para cremes e óleos, pincéis naturais para pós; caso se use um pincel natural num creme, este deve ser lavado tão rápido quanto possível sob pena de entranhar o óleo ou creme e deixar o pincel muito diferente do que era.

De resto, é só usar com muito carinho e para fazer looks bem bonitos, que um bom pincel deve durar anos a fio!

Outubro – Passatempo Comentário Do Mês

6 Out

Repararam, com certeza, que em Setembro não houve passatempo, mas foi mesmo impossível. Porém temos um prémio este mês que sei que muitas pessoas vão querer! Trata-se de um kit de viagem de pincéis da Kiko.

Pincéis Kiko, kit de viagem

Pincéis Kiko, kit de viagem

É pequenino, ideal para quem viaja muito ou tem que fazer a maquiagem já meio fora da porta de casa, para quem esteja a começar a usar pincéis ou, então, simplesmente para quem ache que um pincel a mais nunca é exagero.

Kiko Kit de Pincéis

Kiko Kit de Pincéis

São todos pincéis sintéticos de taklon, excepto as esponjinhas aplicadoras (há uma pequena de sombra e uma grande mais apropriada para iluminador e contorno). De resto, da esquerda da imagem para a direita temos um pincel de base que é o único que se apresenta desacompanhado, um de corrector com o tal aplicador maiorzinho. Do outro lado temos, também da esquerda para a direita, um pincel biselado ideal para delinear os olhos e que do lado oposto tem o pincel de lábios. O pincel seguinte tem um lado achatado grande para depositar sombra e áreas maiores e um outro lado arredondado para esbater. Finalmente, o último pincel tem um lado achatado menor para detalhes na sombra e um aplicador de esponja menor. Estes pincéis de sombra são, como disse, sintéticos, e funcionarão bem para cremes, mas como são de fibra tratada são também apropriados para aplicar pó. O kit peca apenas pela falta de um pincel de blush.

Precisam definitivamente de uma boa lavagem com água e champô antes da primeira utilização, mas são bons, macios, não largam pelo e funcionam muito bem agarrando e depositando produto conforme necessário. Não tenho nada a dizer à cerca deles, naturalmente não sou grande apologista dos aplicadores de esponja, mas há muito boa gente que usa, adora e se dá muito bem com eles.

Podem ver tudo tudo tudo sobre como participar e ganhar clicando aqui.

Quem ganhou o passatempo de Agosto foi a Cris, que tanto participou, dando ideias e dizendo de sua justiça. Obrigada Cris e não te esqueças de entrar em contacto comigo via e-mail ou Facebook dizendo-me para devo enviar o teu lápis Urban Decay.

Maquiagem – Pincel Kabuki 2 in 1 Real Techniques

19 Set

Pronto, cedi. Cedi e tive que trazer um Real Techniques cá para casa e o meu escolhido foi o Kabuki. Achei-o o mais original da colecção, de modo que resolvi experimentar a marca de que tanto se tem falado.

Real Techiques Kabuki

Real Techiques Kabuki

Não vou dizer que estou impressionadíssima, não estou, mas é o um pincel giro e bom, mais pela construção do que propriamente pelo pincel em si. Antes disso, quero dizer que os pincéis Real Techniques são 100% vegan, sem crueldade e sem pelo animal – para quem queira estas características, esta é uma das melhores escolhas em termos de marcas.

As fibras deste kabuki em ângulo são de taklon, uma fibra sintética que, hoje em dia, já pode ser tratada de modo a ser macia e apropriada para conseguir trabalhar com pós. É o caso, precisamente, é um dos pincéis mais macios que alguma vez senti ou usei. Já sabemos que muitas vezes o pincel mais macio não é melhor porque deposita menos cor, mas este funciona mesmo sendo extremamente suave. Além disso, as fibras sintéticas secam muito rápido, de modo que este pincel pode ser lavado de manhã e estar pronto para ser usado ao outro dia mesmo sendo razoavelmente denso. E entretanto, perguntam vocês e com toda a razão do mundo como e porque é que o pincel é um 2 em 1. Porque abre e torna-se num pincel achatado e comprido! O pincel é dividido em dois e tem uma dobradiça e um íman, para que possa abrir e fechar conforme necessário. Na primeira lavagem não largou tinta absolutamente nenhuma nem sujidade e não largou pelo. Na segunda e na terceira também não, mas a primeira é sempre a mais susceptível a ter estes percalços.

Real Techiques 2 in 1 Kabuki

Real Techiques 2 in 1 Kabuki

A pega do pincel é de plástico preto, normalíssimo, com uma qualidade mais ou menos duvidosa (não é o caso do meu ainda, mas já vi muitas pessoas a queixarem-se que a parte mate está a desgastar-se e a ficar brilhante com o uso).  O pincel é leva, mas é também bem mais pequeno do que um kabuki comum. Isto pode ser uma vantagem já que, por ser em ângulo e por abrir a sua função é a aplicação mais localizada (blush, bronzer) e não uma aplicação difusa (base, pó), mas pode não ser o que queremos – é questão de gosto.

O pincel esbate bastante bem, sem esforço de maior e apanha bem o pigmento. Quando aberto esbate pior por ser mais fino mas acaba por funcionar também por ser ligeiramente mais espesso no centro do que nos lados, o que faz com que a cor seja depositada na sua maioria pelas cerdas do centro e esbatida pelas restantes tudo isto num movimento só.

Real Techiques Kabuki (parte de trás)

Real Techiques Kabuki (parte de trás)

É um pincel que recomendo? Nem por isso poque não serve para o uso que eu dou aos meus kabukis (aplicar base em pó/mineral e também esbater os riscos que por vezes ficam na aplicação de certas bases com certos métodos de aplicação e, ainda, retirar excessos de maquiagem de rosto – base, pó, blush, bronzer). Se pretendem usar este kabuki como pincel de blush ou bronzer, aí sim, tem a minha recomendação.

Penso ter tocado em todos os pontos essenciais, se não tiver sido o caso, por favor deixem as vossas perguntas nos comentários ou no Facebook!

Maquiagem – Como Escolher Pincéis

20 Jun

Como sabem, os pincéis são essenciais para uma maquiagem bonita e favorecedora. A aplicação correcta é tão ou às vezes mais importante quanto o produto usado – acreditem, um produto bom e caro pode, quando mal aplicado, ter resultados piores do que um produto de qualidade duvidosa aplicado correctamente. 

maquiagem, maquilhagem, pincel

 

Já há mais de um ano que vos contei as coisas mais básicas sobre pincéis e vos falei de quais os pincéis essenciais que devemos considerar comprar. Entretanto, fica a dúvida: como comprar? Como escolher? Como é que eu sei se um pincel é bom antes de o usar?

O primeiro tópico que quero frisar é que os pincéis são um investimento e que um item de qualidade que seja bem estimado dura décadas mesmo com uso diário. Assim, ao comprar, devemos focar-nos na qualidade e não na quantidade. Eu sei perfeitamente que na Internet somos bombardeados por sets de 30 pincéis ao preço da chuva e também eu sou culpada de sucumbir à tentação! Contudo, será que a maioria das pessoas que se maquiam a sim mesmas no seu dia-a-dia precisam de 10 pincéis diferentes para maquiar os olhos quando sabemos que 2 ou 3 chegam? Comprem qualidade. Não quero dizer que a qualidade não esteja a um preço simpático por vezes, mas quando a esmola é muita, aconselho a desconfiar.

A segunda ideia é pensar no uso que vão dar. Quem usa só base em creme ou líquida não precisa de comprar um pincel de base com fibra natural, por exemplo! Cada pincel tem o seu uso e devemos conhecê-lo para fazer um juízo adequado antes de cairmos de amores por uma belezinha de pincel que nunca vai ter uso. Já agora, um pincel para esbater é arredondado na ponta e um para colocar produto é mais achatado! É sempre bom lembrarmo-nos disso quando estamos às compras.

Um bom pincel não é um pincel imensamente fofinho – os pincéis mega-fofos não agarram pó em quantidade suficiente porque o pó é agarrado nas cutículas do pêlo e um pêlo com as cutículas abertas e prontas para segurar o pó não é tão macio assim! Claro que também não deve arranhar, o bom-senso impera sempre. Experimentem o pincel no lado de dentro do pulso e logo vêm se é macio demais, áspero demais ou então perfeito (sim, ao melhor estilo “Caracóis Dourados”).

Um bom pincel é resistente. Se por um lado uma meia dúzia de cerdas soltas são normais, ficar com o pincel pela metade à primeira lavagem não nos serve. Pegar no pincel e ver se o ferrolho (parte de metal) e o cabo estão aparentemente bem presos e um puxãozinho gentil nas cerdas dá-nos logo indicação de vamos ficar mal servidos ao primeiro uso.

“O barato sai caro”, sempre me disseram e é verdade! Apostar em qualidade e comprar com consciência também é poupar!

Maquiagem – Pincéis – O Básico e os Básicos

7 Jun

É um assunto muitas vezes esquecido, mas é extremamente importante. A não ser que sejamos a Pat McGrath, os pincéis são essenciais  numa maquiagem com bom aspecto.

Pincel Tradicional De Base - Este é da Sephora

Pincel Tradicional De Base – Este é da Sephora

Correndo o risco de parecer snob, vou começar por dizer que peguem naqueles aplicadores com esponja que vêm com as sombras e os coloquem bem longe, num canto escuro e frio, sozinhos e abandonados. São mais difíceis de usar, podem arranhar os olhos e são quase impossíveis de higienizar convenientemente. Por isso, vamos deixá-los de parte.

Pincel De Colocação De Sombra - 239 da MAC

Pincel De Colocação De Sombra – 239 da MAC

A segunda coisa importante a saber é que, regra geral, pincéis sintéticos são para produtos com altos teores de água  (gel, creme ou líquido) e os pincéis de fibras naturais (pêlo natural) servem para pós. Os pincéis de pêlo natural funcionam melhor para esbater e colocar produtos, mas absorvem muita água e consequentemente o produto, desperdiçando-o. Os pincéis naturais são feitos de pêlo de cabra e cavalo entre outros animais e os bichinhos não são prejudicados para se obterem as fibras: são escovados ou o pêlo é aparado para se fazerem os pincéis. Se, ainda assim, não quiserem usar pêlo natural, há pincéis Vegan de fibra sintética tratada que funcionam exactamente como o pêlo natural sem o serem. Recomendo vivamente os da The Body Shop para quem procure pinceis Vegan porque são excelentes. Os pincéis sintéticos são geralmente de nylon e/ou taklon, dependendo da marca e do uso que é suposto terem.

Pincel De Pó/Blush 24S Da Makeup For Ever

Pincel De Pó/Blush 24S Da Makeup For Ever

Um pincel é composto pelo cabo ou pega (que pode ser de madeira, plástico, acrílico etc), ferrolho (que é aquela parte geralmente de metal) e cerdas (os pêlos ou fibras). Os pincéis devem ser lavados com frequência usando um produto específico ou champô suave e condicionador (só se for de fibras naturais e se acharem que o pincel arranha ou está demasiado áspero). Não se esqueçam de enxaguar muito bem e tentar evitar que a água entre no ferrolho já que isso pode levar a que a cola que faz com que as cerdas se mantenham no lugar se dissolva. Para secar os pincéis, o ideal é deixa-los na horizontal e um pincel grande e denso pode demorar mais de 24 horas a secar.

Pincel De Esbater Sombra - E40 da Sigma

Pincel De Esbater Sombra – E40 da Sigma

Os pincéis mais básicos? Um pincel sintético de base que não seja demasiado grande para dar para base e corrector, um pincel de preferência natural de pó de tamanho médio para dar para pó, blush e bronzer, dois pincéis de olhos (um mais curto e rígido para colocar o produto e outro mais cheio e fofo para esbater). Se gostam de lábios com cores vibrantes, apostem num pincel de lábios sintético e se precisam de aplicar sombra nas sobrancelhas para as preencher, precisam de um pincel angular para o efeito.

Os pincéis são um investimento e pincéis bons e bem estimados duram muitos anos. As boas marcas (SephoraMAC, MakeUp ForEver, Crown, Sigma, Real Techniques, a minha “mui adorada” Hakuhodo, entre outras) são geralmente caras, mas mesmo dentro das boas marcas há diferenças de preços que vale a pena explorar e investigar.

Maquiagem – Corrector

22 Mar

O corrector é uma base mais concentrada. É simples, não há muito mais a dizer sobre o que é o corrector.

Quem esteve atento durante a “semana da base” reparou, de certeza, que eu disse que a base não servia para cobrir e esconder tudo porque se torna muito pouco natural. Assim, há pequenas imperfeições que precisam de correcção. E como conseguir que essas imperfeições desapareçam? Com corrector, é claro. O corrector serve para tapar aquela borbulha vermelha que incomoda tanto, aquelas olheiras que teimam em não ceder, aquela manchinha que chama à atenção.

Corrector

Corrector

Já vimos o que é o corrector e para que serve. Agora vamos ver como se escolhe: eu recomendo escolher da mesma maneira que se escolhe a base. Há várias teorias sobre como escolher, mas eu digo sempre que é melhor escolher um que seja o mais próximo possível da cor da pele do rosto. Vejam o artigo sobre tons de pele e sobre como experimentar a base se tiverem dúvidas sobre como escolher a base que mais se aproxima do vosso tom de pele porque o corrector deve ser o mais parecido com a base possível.

Há correctores que iluminam e reflectem a luz e, embora a teoria por detrás deles seja boa, não acho que funcionam bem. Muitas marcas têm lançado e promovido este tipo de produto, mas continuo a não estar convencida dos resultados. A teoria que sustenta este tipo de correctores é que ao reflectir a luz, vão distrair das imperfecções da pele porque reflectem a luz. Faz o seu sentido, mas se pensarmos que tudo o que reflecte a luz vai chamar a atenção, “saltar à vista” e ser mais óbvio, também faz sentido que este tipo de corrector não resulte muito bem. Vai um pouco do gosto pessoal e do que a pessoa acha que funciona ou não: para mim, não funcionam.

Em termos de textura, eu gosto de texturas mais cremosas e espessas. Alguns maquiadores não gostam deste tipo de textura porque acham que realça as ruginhas e as pequenas linhas de expressão. Vai de encontro, outra vez, ao gosto pessoal – se bem que, finalizar com um pó translúcido vai resolver este problema. Há correctores numa textura mais líquida e também em pó (especialmente mineral. Leiam aqui sobre o que é maquiagem mineral.)

Agora falta só a aplicação. Eu gosto de aplicar com um pincel e acho que o melhor é fazê-lo depois da base. Recomendo aplicar com um pincel porque acho mais preciso e acho que se esbate melhor. Aplicar depois da base é boa ideia porque a base já cobre algumas pequenas imperfeições e, se aplicasse o corrector antes, ia estar a cobrir duas vezes a mesma área. Isto pode levar a um excesso de produto que vai ser notório depois da maquiagem terminada. Também gosto sempre de finalizar com um pó se o produto for em creme ou líquido.

Outro método popular de aplicação é usar os dedos. O calor da mão vai ajudar a derreter o corrector e vai fazer com que este seja mais fácil de aplicar, mas também pode fazer com que cubra menos. Há ainda pessoas que aplicam o corrector antes da base porque gostam de se certificar que está tudo bem disfarçado mesmo antes de aplicar a base.

O único ponto em que toda a gente parece concordar é que a aplicação deve ser feita com leves batidinhas para uma maior cobertura e que se deve esbater só o essencial para que não seja óbvio o uso de corrector.

Permitam-me um à parte: há produtos vendidos como “correctores” que são verdes, azuis, cor-de-laranja e até avermelhados. Estes produtos têm o seu lugar, é verdade. São úteis mas não são correctores “comuns”. São correctores de cor e servem para corrigir descolorações mais graves e para o uso em maquiagem para fotografia. Falaremos deles um dia, mas o que importa agora é dizer que não é esse o tipo de corrector do qual estou a falar e que ele é um assunto à parte.

O corrector é um daqueles produtos que tem um milhão de maneiras diferentes de aplicar. É algo muito pessoal e recomendo que experimentem várias maneiras de o usar até encontrarem a que acham que funciona melhor.

Têm dúvidas? Comentem ou procurem pelo Invicta Maquiagem no Facebook – cliquem!

Como Aplicar A Base

17 Mar
Aplicar base com pincel

Aplicar base com pincel

Agora que já aprendemos a escolher a base a e experimenta-la, é altura de aplicar. Há três maneiras principais de aplicar as bases em líquido e em creme. As bases em pó só podem sem aplicadas com pincel e, na quinta-feira passada, já falamos de como é que se faz.  Vamos às bases em líquido e creme. Apesar da textura ser diferente, a aplicação é quase a mesma.

Método 1 – Usar as Mãos

Usar as mãos para aplicar a base tem os seus prós e os seus contras. Os contras são que é preciso ter cuidado extra com a higiene das mãos antes de aplicar, a aplicação nem sempre é muito uniforme e que para quem usa unhas compridas é uma tarefa quase impossível. Os prós são que o calor das mãos vai aquecendo a base e tornando-a mais fácil de espalhar, que não se desperdiça muito produto e que, é claro, não há necessidade de comprar ferramentas extra.

Não há muito para explicar à cerca deste método já que não há muito por onde variar. Coloquem um pouco de base nas costas da mão e com as pontas dos dedos da outra mão apliquem o produto do centro do rosto para fora, tendo o cuidado de esbater bem para que não haja manchinhas nem marcas de impressões digitais. Com os dedos é possível esbater bem a base de modo a que fique bastante transparente por isso tirem vantagem disso para uma aplicação bastante natural.

Método 2 – Usar uma esponja

Usar a esponja também tem os seus prós e os seus contras. Há maquiadores que não vivem sem as suas esponjinhas e, para quem trabalha no rosto de outras pessoas, é realmente a melhor opção porque as esponjas são descartáveis. Se eu estiver a maquiar duas ou três pessoas seguidas, é o que prefiro usar. As esponjas também podem dar uma variedade de efeitos e chegam a todos os cantinhos do rosto se bem usadas. Os contras prendem-se com o facto de não durarem muito, de terem que ser lavadas quase todos os dias para garantir não só a higiene como a uma aplicação bonita (isto se a esponja for só vossa. Se não for, é usar e deitar fora!) e o facto que desperdiçam muita, mas mesmo muita base.

Para usar a esponja, a maneira de conseguir uma cobertura mais uniforme é humedecer a esponja. Isto vai fazer com que a base seja aplicada de uma maneira mais leve e que não se forme aquele aspecto “empastado” no rosto. Como sempre, aplicar do centro do rosto para as margens é o ideal. Usar de leves batidinhas em vez de “esfregar” é também o mais indicado porque, de contrário, estariam a colocar e a tirar a base ao mesmo tempo – não é o que pretendemos. Ah! E a última passagem da esponja deve ser de cima para baixo (da testa para o queixo) para abaixar aquela “penugem” do rosto.

Método 3 – Pincel

Confesso que é o meu método preferido para aplicar em mim mesma ou se estiver só a maquiar uma outra pessoa. As principais vantagens são que não suja as mãos, é rápido, é possível uma aplicação mais espessa ou mais transparente e é possível chegar a todos os cantinhos da face. A principal desvantagem é ter que lavar o pincel regularmente. Um pincel sujo é a melhor maneira de a maquiagem ficar “aos risquinhos” – também não é o que pretendemos.

Aplicar a base com um pincel requer, naturalmente, escolher o pincel. Os pincéis mais adequados para base são os com formato oval maiorzinho e sintéticos (vejam a foto abaixo). Sempre, sempre, sempre sintético para aplicar produtos com humidade. É que as cerdas de pelo natural vão absorver o produto e vão deixar muito pouco para colocar na cara. Além de que vão ser mais difíceis de lavar depois. Os pincéis sintéticos são muito mais baratos e estão disponíveis em mais sítios do que os naturais.

Pincel de Base

Pincel de Base – este é da Sigma

Aplicar  a base com um pincel é exactamente igual a aplicar com a esponja só que não se deve molhar o pincel. É muito simples. Para não serem visíveis as tais marcas das cerdas de que falava há pouco há três opções:

Podem trabalhar bem a base com pinceladas curtas e insistentes para que as marcas se esbatam;

Podem, quando acabarem a aplicação, pressionar as palmas das mãos na cara – nada de esfregar;

Podem, quando forem colocar o pó, esbater os traços na base com o pincel de pó.

O método a escolher depende apenas da preferência pessoal e não há um método certo ou errado – desde que gostem do resultado.

Então e vocês? Como é que aplicam a base? Usam alguma dica diferente? Quero saber!

 

Outros artigos que podem interessar:

A Base E O Tipo De Pele

A Cor E O Tom Da Base

 Bases Em Pó E Bases Minerais

Como Experimentar A Base

Acabamentos Das Bases

Mitos Sobre A Base

Bases Em Pó E Bases Minerais

15 Mar
Base em pó solto

Base em pó solto

Durante esta semana, já referi várias vezes bases em pó mas nunca me alonguei muito. Talvez se estejam a perguntar porquê. É só porque é um bocadinho um mundo à parte. Não é algo a que a maioria de nós esteja habituada e até pode ser um pouquinho confuso.

A base em pó é exactamente isso – base que em vez de ser um líquido ou um creme é um pó. Não devemos confundir com o pó matificante a que estamos tão habituadas. A base em pó cobre a pele muitíssimo mais.

A base em pó pode ser apresentada em pó compacto (tal e qual como uma sombra gigante, ou como o pó matificante que estamos habituadas a ver e do qual falei há dois segundos atrás) ou em pó solto (como na foto acima). Seja ela em pó solto ou em pó compacto, pode ser mineral ou não.

Os prós e contras do pó compacto versus os pó solto têm a ver com a aplicação e com os ingredientes, principalmente. O pó compacto é mais fácil de aplicar e de transportar mas precisa de ingredientes extra para ser possível agrega-lo num compacto. Estes ingredientes, os agregantes, são mais um factor que pode proporcionar alergias.

Quanto a maquiagem mineral e maquiagem dita “normal”, a diferença não reside propriamente no que a mineral tem e a outra não: a diferença reside exactamente no que a maquiagem mineral não tem. A maquiagem mineral não tem parabenos, não tem muitos conservantes e, mais importante, não tem óleos nem perfumes. É que, para pessoas com pele sensível e/ou rosácea, os parabenos e os perfumes são muito prejudiciais e para quem tem acne, a presença de óleo pode agravar – e muito- o estado da pele. A maquiagem mineral também pode ter bastante mica, que vai fazer com que o acabamento possa ir de matte a luminoso – há muito por onde escolher. Ainda é de notar que há maquiagem mineral orgânica para quem tenha a preocupação de tentar ao máximo usar produtos desse tipo.

Até agora só falei de vantagens da maquiagem mineral – então porque é que eu preciso de um artigo à parte se for só para falar bem?

A maquiagem mineral, muito em especial a base, tem em comum uma desvantagem com as outras bases em pó: pode oxidar. Oxidar é quando, um tempinho depois de aplicada, a base fica mais escura. Quando saímos de casa, está tudo muito bem. Quando chegamos ao trabalho ou àquela festa tão importante, a base vai estar dois ou três tons mais escura. Ninguém quer isso! Isto tem tendência a acontecer mais com quem tem a pele oleosa. Uma base que, até aqui, parecia a escolha ideal para quem tem pele oleosa porque, sendo pó, é mais absorvente, perde assim muitos pontos.

A outra desvantagem principal é, para obter aquele acabamento bonito, natural e brilhante, um dos produtos mais usados é o oxicloreto de bismuto. Uma grande percentagem das pessoas é alérgica a este composto. Se tiverem esta alergia tão comum e usarem este componente dois ou três dias seguidos, podem ficar com a pele vermelha, seca, descamada e podem até começar a ter borbulhas bastante dolorosas. É tão desagradável quando soa – acreditem.

Sugiro que, se querem uma base mineral ou em pó, peçam amostras. É mesmo muito difícil saber como a pele vai reagir se não experimentarem a base por alguns dias. Se reagirem bem, então recomendo plenamente. Usei base mineral durante muito tempo e é algo que adoro apesar de, como vêm, recomendar sempre precaução.

Para terminarmos numa nota positiva, vou falar da melhor parte da base em pó: a aplicação. Para aplicar a base em pó é necessário o pincel Kabuki. Basta carregar o pincel com o pó, dar-lhe leves batidinhas para retirar o excesso e aplicar em movimentos circulares. Tenham cuidado para não pressionar muito e para esbater o suficiente. E pronto, já está! É a aplicação mais fácil e rápida de todas, o que fantástico.

Pincel Kabuki

Pincel Kabuki

 

 

Outros artigos que podem interessar:

 

A Base E O Tipo De Pele

 

A Cor E O Tom Da Base

 

Acabamentos Das Bases

 

Como Experimentar A Base

 

Como Aplicar A Base

 

Mitos Sobre A Base

 

%d bloggers like this: