Tag Archives: pele

Cuidados de Pele – O Tipo de Pele

19 Nov

O primeiro post de cuidados de pele do Invicta Maquiagem versou sobre os tipos de pele e como os identificar. Continuo a ver tanta desinformação sobre o tema que não me canso de bater na mesma tecla! Revisitamos hoje este artigo de Março de 2012.

Invicta Maquiagem

Depois de pensar um pouco, achei que o melhor mesmo era “começar pelo começo”. Que sentido faria estar a recomendar produtos e tratamentos e dizer que eram excelentes para uma pele seca ou para uma pele oleosa se não cheguei a explicar como saber qual é qual? Aproveito a segunda-feira e o primeiríssimo artigo sobre cuidados de pele para colocar tudo em “pratos limpos”.

Infelizmente, não é fácil determinar o tipo de pele de cada um. Não só porque o tipo de pele muda consoante vários factores (que vamos discutir em breve), mas porque podemos ter características de um e de outro tipo de pele. Por exemplo, a minha pele é mista com tendência a oleosa e sensível. Vêm? São três tipos de pele no rosto de uma pessoa só! Vou tentar simplificar para que também possam determinar o vosso tipo de pele.

Pele Oleosa

A maioria de nós já teve este…

View original post mais 541 palavras

Cuidados De Pele – A Máscara Certa Para Mim

18 Nov

Nem sempre é fácil escolher estas coisas, partimos do princípio que a escolha deve ter por base o nosso tipo de pele e é bem verdade, mas há sempre mais qualquer coisa a ter em conta! Antes de mais, convém que saibamos o nosso tipo de pele.

máscara facial beleza

Pele Seca ou Sensível – É a pele que mais sofre com agressões, logo, não deve nunca descurar as máscaras para ajudar a hidratar e acalmar a pele. A máscara deve ser cremosa, sem caulino ou outro tipo de argilas e não deve ser do tipo que tem pequenas esferas esfoliantes.  Devem ser aplicadas em camada generosa, deixadas por 10 a 20 minutos e depois o excesso deve-se retirar com um disco de algodão sem esfregar. Uma boa máscara para pele seca trará um novo conforto à pele e, regra geral, podem ser deixadas durante a noite na pele desde que não contenham ácidos (ou seja, sirvam só para hidratar e não para rejuvenescer). A máscara hidratante da Avéne é a que mais gosto de recomendar.

Pele Oleosa – É o tipo de pele para o qual eu recomendo máscaras sem pensar duas vezes. Vai ajudar a controlar o óleo porque o absorve e e vai fazer uma limpeza mais profunda do que o regime de cuidados do dia-a-dia faz. As peles com acne podem e devem usar também máscaras, a minha favorita para pele oleosa e/ou acneica é a da Sampar que recomendo com imensa frequência, mas há boas máscaras de argila no mercado. O truque é usar a máscara de caulino/argila, deixar apenas 10 a 15 minutos conforme recomendado na embalagem (varia consoante a marca ou o produto em si) e usar logo de seguida uma máscara hidratante. Estamos a retirar óleo e logo a seguir a colocar hidratação, ou seja, a pele vai responder melhor e, com o tempo, a produção de óleo tenderá a diminuir. Também é uma excelente ideia para que a pele não fique demasiado sensibilizada. Já se sabe, depois de retirada a máscara para pele oleosa (deve-se retirar com água), é necessário aplicar hidratante ainda que não se deseje fazer a máscara hidratante.

Pele Mista – Geralmente é quem menos procura máscaras, mas não é que não beneficie delas! A pele mista a oleosa deve usar uma máscara para pele oleosa seguida de um bom hidratante e a pele mista a seca, deve usar uma máscara hidratante, porque hidratação nunca é demais. Uma auto-mini facial é sempre bem vinda, não é?!

As máscaras têm como principal objectivo dar um empurrãozinho ao tratamento que já fazemos, é um complemento que pode mudar tudo para melhor e, uma vez que nos habituemos a elas, não há volta a dar, apaixonamo-nos. Quem nunca experimentou deve fazê-lo na minha opinião, o quanto antes!

Maquiagem – Pele De Veludo (Tendência)

14 Nov

Na moda Outono/Inverno 2013 vimos imenso esta tendência da pele aveludada. A pele aveludada não é só uma pele mate, é o equilibrio delicado necessário para que apele não tenha brilho porém continue luminosa. Confuso? Prometo que simplifico.

Pele de veludo

Há dois caminhos para chegar à meta que é a pele aveludada. Porém, têm as suas semelhanças: a pele precisa de estar limpa e bem hidratada, de preferência com um hidratante que seja oil-free, matificante ou que, em último caso, não deixe uma película à superfície da pele. O outro pré-requisito é que as imperfeições estejam corrigidas, o que se alcançará usando um bom corrector. Posto isto, vamos às duas técnicas:

  1. Uso de uma base mate ou aveludada – pois é, está o trabalho meio feito! Realmente é a solução mais rápida e prática, mas tem os seus senãos. Para que a face não pareça plana (algo que acontece frequentemente quando se usa uma base muito mate ou se exagera no pó), será preciso algum contorno para redefinir feições. Um bronzer deve ser aplicado nos pontos de contorno normais (em especial por baixo do osso da face e no côncavo dos olhos, podendo aqui ser substituído por uma sombra neutra). Para dar a luminosidade que se pede, então, à pele de veludo, a opção será usar uma sombra mate mais clara do que a pele em três a quatro tons e aplicar nos pontos altos da face, como o osso da sobrancelha, o osso das faces, cana do nariz e topo do lábios superior (o “arco do cupido”). O jogo luz/sombra e o acabamento da base escolhida fazem o efeito completo;
  2. Matificar uma base – se a base de que dispomos não é já de si mate, então há também algo a fazer. Tudo vai começar com um primer matificante se houver essa disponibilidade. Depois, já se falou, corrigir a pele e, claro, aplicar a base. Agora é ir pegar no pó e usar de modo a que a pele fique bem matificada na zona T (testa, nariz e queixo) e menos bem empoada nas faces. O contorno já descrito pode ser feito se for necessário, se bem que por não se ter matificado totalmente as faces não fará a face tão plana, mas o iluminador pode ser dispensado.

Para acompanhar a pele mate, eu gosto de ver um blush também ele mate e os olhos ou os lábios com bastante brilho. Assim não se correrá o risco de parecer datado ou demasiado seco e empoado, o que não favorece ninguém! Isto é porém a minha opinião pessoal, e há aqui imensa liberdade de escolha. Eu iria pela utilização de um blush mate, sombras totalmente mate e uns lábios com um gloss super brilhante (estilo efeito molhado) porque é o que mais aprecio. Poder-se-ia utilizar uma sombra cintilante ou com glitter até, só desaconselho a acetinada porque nem é mate nem é brilhante – fica ali no meio e “perde-se” completamente.

Penso que as pessoas com pele mista ou oleosa gostaram mais deste look, é natural que quem tem a pele seca antes prefira algo mais luminoso. Falaremos dos meus iluminadores favoritos amanhã! As pessoas com pele matura devem evitar este efeito na pele porque muito pó envelhece e marca muito, sendo que devem optar por algo mais leve e luminoso se quiserem disfarçar o facto da pele já não estar completamente jovial.

Cuidados De Pele – Sinais De Idade

4 Nov

Pois é, muitas vezes a idade de uma pessoa adivinha-se mais depressa pela área do peito e do pescoço bem como pelas mãos do que propriamente pelo rosto. Mas então, se estamos tão preocupados em não deixar que o rosto deixe com que quem nos adivinha a idade nos acrescenta anos, o que podemos fazer quanto ao resto?

sinais de idade outros prevenir

O peito e as mãos revelam mais sinais de idade porque a pele é, de si, diferente na medida em que tem menos glândulas que produzam óleo (que protege a pele e mantém elástica) e porque a textura é diferente. Além disso, é a verdade é que não temos os cuidados com as mãos e o peito que temos com o rosto a nível de tratamento e, em especial de protecção solar! As mãos, em particular, sofrem muito “abuso” ao longo da vida, entre lavagens frequentes com produtos muito fortes e a exposição aos elementos e à poluição, já muito resiste a pele das mãos. O ideal será prevenir e mais do que reparar danos, importa prevenir mais e mais sinais de idade. O pescoço tem a grande vantagem de estar perto da face e até certo ponto coberto e protegido pela sombra da face – assim, qualquer tratamento que se aplique a todo o resto deve ser “estendido” para o pescoço na mesma quantidade proporcional

Os sinais de idade que mais vemos são as manchas (castanhas ou arroxeadas) e flacidez, além do aspecto mais macilento e “sem vida” da pele. As manchas castanhas são causadas primariamente pela exposição solar, são pigmentação normal devido à má protecção. Para isto, há tratamentos despigmentantes tanto de venda livre como prescritos por médicos e há, também, séruns com vitamina C para uso durante a noite. A vitamina C é um anti-oxidante e um bom sérum de vitamina C virá em doses únicas (uma espécie de cápsula para cada uso) ou, na pior das hipóteses, num frasco escuro.

As manchas arroxeadas ou rosadas serão pequeninos derrames, vasos capilares que se romperam. Não é grave a nível da saúde se não forem uma grande extensão, mas são inestéticos. Para isto, só mesmo o dermatologista munido de tratamentos lazer vai poder ajudar. Estas manchas são comuns no peito, em torno do nariz e nas faces, é raro vê-las nas mãos, mas não é, de todo, impossível.

Quanto à textura, à flacidez e ao toque estilo papel crepe/crepom, parecendo que a pele é grossa estilo borracha, seca e enrugada, sem luminosidade e/ou que tem uma espécie de areia fina que escama. Um esfoliante é a melhor escolha, seja ele químico (com ácido glicólico ou salicílico) ou mecânico ou, para casos mais gritantes, um peeling químico feito pelo dermatologista. A microdermabrasão pode ser uma escolha também dependendo da condição da pele, sendo que o aconselhamento deve ser feito caso-a-caso por um bom dermatologista ou uma esteticista qualificada.

Conclusão: é possível prevenir e reparar danos e não deixar que a pele do pescoço, peito e mãos revele a verdadeira idade da pessoa.

Inspiração

2 Nov

80's, maquiagem, maquilhagem

A imagem é um pouco pequena, mas gostei tanto que tive mesmo que partilhar aqui na rubrica Inspiração! A inspiração de hoje passa pelos meus queridos, adorados, amados anos 80! Eu acredito que toda a gente tem aquela década do século 80 em que, pelo que se usava, ficaria completamente enquadrada. Os 80’s são lindos, adoro tudo, desde a música ao visual e até fico engraçada com a maquiagem que se usava na época, mas infelizmente não é para para mim nem para tirar inspiração para o dia-a-dia (sou pouco colorida, preferindo os neutros). Claro que anos 20 e princípios de anos 60 preenchem o restante do meu coraçãozinho de fanática por História e adoradora de maquiagem tudo-ao-mesmo-tempo. Bem, adiante, já estou a esticar-me.

A imagem acima apresenta uma maquiagem inspirada nos anos 80, a pele mate mas com luz (conseguido aqui com edição de fotografia mas na vida real com o uso de tons mais claros e do jogo claro/escuro), uns olhos em tons bem metalizados e de cinza como é grande moda este ano conjuntamente com  algum preto para definir o olhar. Os lábios são vermelhos e brilhantes mas é porque a pele escura também aguenta bem esta intensidade e diversidade de cores.

O que eu acho que podemos tirar desta inspiração de hoje é mesmo olhar para o passado e tentarmos imaginar como seríamos se tivéssemos nascido bem antes e tentarmos trazer pequenos toques dessa década para o nosso dia-a-dia. Eu sei que o que mais me favorece é a maquiagem estilo anos 60 e aposto muitas vezes no eyeliner com montes de máscara nas pestanas e também no batom mais pálido. E vocês? Qual a década que vos inspira?

O que muda aos quarenta?

17 Out

Adorar beleza e não conhecer o Coisas E Cenas é um pecado capital! Ok, não conhecer o Invicta Maquiagem também, mas isso já são outros quinhentos. Hoje esta fantástica blogger vem falar-nos do que muda quando já se viram 40 ou mais Primaveras, algo que eu, do alto dos meus 25 anos não posso comentar com grande propriedade. Espero que este post enriqueça todos como me enriqueceu a mim e que não se esqueça de ir ver Coisas E Cenas logo de seguida.

beleza o que muda aos 40

O que muda aos quarenta?

Francamente? Nada. Absolutamente nada.

Com quarenta anos, e apesar da primeira celulite que chegou aos 35, dos cabelos brancos que mancham a melena alaranjada e dos vincos que começam a tatuar-nos a cara, a vida afigura-se tão divertida e prometedora como aos vinte, mas com a vantagem de nos conhecermos melhor, de sabermos exatamente o que queremos (e de não termos medo, caso não saibamos) e de termos um poder de compra que nos permite umas extravagâncias janotas.

De resto… bom, constate-se o aspeto de muitas das minhas camaradas de luta, todas entradas nos temidos -entas: a Kate Beckinsale, a Heidi Klum, a Sofia Vergara, a Naomi Watts, a Uma Thurman, a Jennifer Anniston, a Hale Berry, a Jennifer Lopez, a Elle Macpherson, a Monica Bellucci, a Rachel Weisz, a Robin Wright… enfim (podia estar aqui eternamente) tudo gente feiosa e manifestamente acabada, correto? Pois não.

Mais: conheço não sei quantos punhados de gente que não é atriz nem cantora nem modelo nem celebridade e tem tão bom aspeto como estas senhoras, que são apenas uma pequena amostra do bem que os quarenta nos fazem: a mesma destreza física, um corpo como o queremos (se o quisermos) e a sabedoria para nos tratarmos como deve ser.

Serviu o introito para chegar justamente aqui e a questão que se coloca é: há cuidados especiais que devamos ter aos quarenta anos? Pois há. Aos quarenta como aos trinta e, se eu tivesse tido juízo, também aos vinte e aos quinze. Mas mais vale tarde do que nunca, pelo que vamos lá.

Foi preciso chegar muito perto dos quarenta para perceber que pele oleosa não é sinónimo de pele hidratada, muito pelo contrário (ou pelo menos, sem qualquer relação), e que usar batom vermelho ou roxo ou rosa choque não é só para as festas, e que os óleos são os nossos melhores amigos, e que em vez de lutar com o cabelo que temos devemos tirar proveito dele, e que a moda é o que nos fica bem e nos diverte, não o que as tendências ditam (na verdade, em termos de moda sempre fui mais precoce). A pessoa tarda, mas acaba por não falhar.

Vai daí, em termos de cuidados de rosto e corpo, há coisas de que não prescindo, como sendo:

  •  Jamais deixo de passar creme de corpo, seja sob a forma de manteiga ou loção – o que importa é manter a pele hidratada, sempre, todo o ano (só de me lembrar como permitia que as minhas pernas ficassem com aspeto escamoso na adolescência, só me apetece voltar atrás no tempo para me auto-esbofetear);
  • Nunca não retirei toda a maquilhagem do rosto. Nunca – e isto não é sequer negociável, quanto mais desculpável; –
  • as unhas (das mãos, sempre, e dos pés no Verão) têm de estar sempre imaculadamente impecáveis (perdoe-se-me a redundância, mas há coisas que mexem comigo): verniz lascado pura e simplesmente deveria equivaler a crime de lesa-majestade. Se está lascado, tira-se, pronto;
  • No rosto, é imperativo buscar (até encontrar) a rotina de pele perfeita, aquela que torna a hipótese de sairmos à rua sem maquilhagem uma eventualidade, em vez de uma hipótese que nos aterroriza: séruns, cremes, óleos e máscaras de tratamento são uma absoluta necessidade, se não queremos chegar aos cinquenta com a cara feita numa uva-passa;
  • Se se puder, privilegie-se a qualidade, em detrimento do preço: como dizia não sei quem, se a pele é o nosso maior órgão e se faríamos qualquer coisa para ter um coração ou rim janotas, por quê descurar a pele?;
  • Exercício físico: qualquer um, onde quiserem. Mas mexam-se: têm até à menopausa para ter um corpo de vinte anos (mas com muito mais estilo), sem peles descaídas ou gorduras de que não gostam (porque se gostarem, é tratar delas com carinho, só não vale é passarem a vida a queixar-se) – tratem dele.

Quanto ao meu cabelo, devo dizer que deve ser uma das minhas características mais marcantes, que muito estupidamente só assumi nos últimos quatro ou cinco anos. Passei metade a vida a querer esticar o que era ondulado e a querer ser loira quando sempre fui castanha-escura-dourada (cenourinha no Verão). Estraguei o cabelo com tintas, descolorantes, secadores e pranchas, até que um dia pura e simplesmente decidi que ele seria quem quisesse. E ele quer ser comprido e encaracolado/ondulado, sendo que lhe oculto os brancos com uma tinta da minha cor de Verão (que é mais arruivada do que seria no Inverno), que me salienta as sardas e encaixa em tudo o resto, e que uso a cada 5 ou 6 semanas, mais ou menos. Trato-o o melhor possível, sem o agredir: deixo-o secar ao natural (só aliso a franja – que, já agora, rejuvenesce sempre), uso produtos indicados para cabelos secos ou encaracolados na lavagem e hidratação/nutrição, um óleo nas pontas, e qualquer coisa que ajude os caracóis a formarem-se e manterem-se, apesar da humidade (de outro modo, pareceria que me teria ligado à corrente elétrica, em determinadas ocasiões).

E quanto à maquilhagem? Há coisas proibidas aos 40? Há: o mau gosto. Na maquilhagem como na moda. Mas esse deveria ser interdito em qualquer idade, ou seja: desde que o que vestimos e usamos nos saliente as qualidades e camufle as caraterísticas menos bonitas, está bom assim. Por outro lado, nunca subestimemos o poder que a escolha de um look pode ter: sobre nós, sobre os outros e, necessariamente, sobre os nossos dias – ou seja: o segredo é cuidarmo-nos, sempre, seja qual for a idade que o nosso registo de nascimento diz que temos. No que toca à roupa, calçados e acessórios, são a minha paixão mais antiga: não há estação em que não compre carradas de trapos (e afins) novos e me aventure a conjugá-los com os velhos, criando todos os dias as vestes de quem me apetece ser. Normalmente, ando no alto de dez (ou mais) centímetros, o que me permite ter o metro e oitenta que sempre quis (a minha grande pancada prende-se com os sapatos, desde sempre), gosto de calças justas, de saias lápis, de blusões de pele, de carteiras muitas, de pulseiras sempre (não sei o que é usar o pulso nu), de relógios e de camisolas quentinhas. Adoro biquínis e tenho uns trinta; se pudesse viveria meio ano de havaianas nos pés e pele a saber a mar.

Na maquilhagem… a maquilhagem é um prazer diário (exceto aos fins de semana, onde a pele tem honras de SPA: máscaras e mais máscaras e a possibilidade de descansar do resto da vida). Normalmente, uso tudo aquilo a que tenho direito: a escolha do primer, da base (que não pode ser mate nem luminosa e que não compro no supermercado – os quarente já nos permitem estas excentricidades), dos produtos para dar cor, sombra e luz ao rosto, dos que me salientam a cor e a forma dos olhos, do batom (o último a que aderi, mas em força!), constituem um ritual diário a que me dedico com um cuidado quase cirúrgico (que não necessariamente moroso) – porque muitíssimo prazeroso. A coleção aumenta em função dos apetites e não das necessidades, o que é ainda mais divertido.

Se calhar muda muita coisa aos 40. Mas para melhor, sempre para melhor.

Post Scriptum: aquela coisa de que “tenho quarenta mas sinto-me com vinte” não é um mito urbano, acontece mesmo. Acho que estou condenada a ser uma velha gaiteira (mas em bom).

Cuidados De Pele – A Pele De Um Fumador

8 Out

Já sabem que não sou de dar sermões a ninguém sobre fumar, mas os factos são os factos e penso ser bom falamos do que é que o cigarro faz à pele! Afinal, saber não ocupa lugar!

pele fumador lábios fumo

Há duas maneiras rápidas, fáceis e mais do que certas de nos fazer parecer bem mais velhos do que somos e que não incluem maquiagem! Uma é ficar a tostar ao sol, a outra é fumar. O problema maior de fumar é que não afecta só o exterior, afecta até mais ainda o interior.

Fumar de maneira crónica (ou seja, ter o hábito de fumar), priva a pele de oxigénio e nutrientes que são os elementos essenciais para que esta funcione bem. Para começar, há logo uma grande influência no tom de pele: algumas pessoas perdem o tom rosado e saudável das faces, outras pessoas ganham um tom amarelo por toda a pele e, mais comum até, outras pessoas ficam com o tom de pele muito menos homogéneo. Qualquer mancha de origem hormonal ou causada pelo sol vai ficar pior, mais óbvia e aparecer muito mais cedo do que se não se fumasse. Outra grande influência é no colagénio e na elastina, que são responsáveis pela elasticidade da pele; se estiverem em falta ou em deficiência, a pele fica flácida muito mais rapidamente. Mesmo se não houver grandes alterações de peso, a área em torno dos olhos, a zona em baixo do queixo (vulgo, papada), os seios e a parte de baixo dos braços são os primeiros locais a dar sinal da flacidez da pele!

Claro que há a questão das rugas, em especial ao redor da boca, o famoso “código de barras”, mas não é só! As tais rugas em torno dos lábios são causadas pela perda de elasticidade da pele e também pelo movimento constante dos lábios ao fumar, ou seja, é uma agressão dupla. Porém, a restante pele, em especial a do rosto e das mãos, acaba por sofrer também danos vindos de dentro (da falta de sangue para irrigar as células e manter o nível de oxigénio e nutrientes necessário) e de fora, por estar sempre a levar com o fumo. Outra agressão dupla!

Outros malefícios para a aparência incluem o estrago dos dentes (e todos sabemos que um sorriso bonito faz de nós muito mais atraentes), manchas nos dedos, perda de cabelo e há também estudos que relacionam o fumo com uma maior incidência de doenças auto-imunes como a psoríase.

Deixar de fumar é a melhor maneira de por um travão nos danos que se está a fazer à pele (e aos órgãos internos). Há grupos de ajuda e médicos especializados que podem ser uma grande ajuda!

Maquiagem – Aplicação De Base Em Pele Seca

13 Set

Aplicar a base da maneira mais adequada é tão importante quanto escolher o produto certo, tanto mais em peles que estejam nos extremos: seca ou oleosa. Hoje o post é dedicado a pessoas de pele seca e à melhor maneira de aplicarem base.

pele seca base aplicar dicas

Claro que a escolha da base é importante (e falei disso há uns 500 anos aqui), resumindo, uma base líquida ou cremosa e que seja hidratante é o que mais vai beneficiar uma pele seca. Se a base for bastante leve também estará a ajudar-nos porque sabemos que não ficará “presa” ou acumulada em locais específicos onde a pele esteja, por acaso, mais seca.  Geralmente pessoas de pele seca preferem acabamentos mais luminosos e reflectores e fogem do aspecto mate o que é bastante inteligente porque dá sempre um aspecto de uma pele mais hidratada e jovem (a pele seca tende a envelhecer muito mais depressa!).

Outra escolha de produto é o primer! É essencial porque vai manter a hidratação do creme que já se utilizou já que cria uma barreira, ai fixar a base e impedir que ela fique “empastada” e, novamente, acumulada em zonas mais secas da face onde a base tem tendência a ficar agarrada. Espalhar a base vai também ser mais fácil, o que é bom porque o excesso de manipulação numa pele seca é prejudicial. Hoje em dia no mercado já há primers para todos os gostos, desde os anti-rugas até aos iluminadores, o importante para quem tem a pele seca é evitar o que prometa ser “matificante” e reduzir o tamanho dos poros, já que estes produtos são mais dedicados a quem tenha brilho e poros visíveis, ou seja, tenha excesso de produção de óleo/pele oleosa.

Agora o real tema deste artigo: o método de aplicação. Afinal é por isso que aqui estão! Métodos que envolvam muita fricção, nomeadamente o uso de pincéis estilo kabuki e língua de gato (o tradicional de base), o passar com o a mão e até mesmo com a esponja são desaconselhados. Causam uma micro esfoliação  que não é benéfica para a pele seca porque levanta as células secas e deixam a pele sensibilizada e a base mais irregular. O ideal para a pele seca é o uso de um pincel de dupla fibra!

Para aplicar a base líquida ou cremosa com este tipo de pincel é necessário usar as cerdas brancas para apanhar produto e dar leves batidinhas na pele para o depositar. Movimentos circulares tão leves quanto possível servem só e apenas para esbater o produto em locais onde o produto ficou depositado em demasia.

A conclusão é que, para pele seca e também para pele sensível, quanto menos o contacto o método de aplicação escolhido envolver, melhor para a saúde da pele e melhor para o acabamento da base a nível de aspecto.

Infográfico – 10 Curiosidades Sobre A Pele

3 Set
10 curiosidades sobre a pele

10 curiosidades sobre a pele

Aqui está mais um infográfico- adoro fazer estas coisas!!! Se tiverem temas, digam! Aqui está o link para o infográfico anterior que fala do essencial sobre protector solar.

10 curiosidades sobre a pele porque ninguém nasce ensinado e há sempre aquele detalhe que nos escapa.

Maquiagem – Como A Maquiagem Pode Melhorar a Pele

29 Ago

Tantas e tantas vezes ouvimos dizer que a maquiagem faz mal à pele até que um dia, de nunca ouvirmos mais nada, a tentação é acreditar. Eu já expliquei que a maquiagem adequada não só não faz mal à pele como tem o poder de ajudar a nossa autoestima – e se gostamos de nós, somos mais saudáveis de corpo e de alma, o que nos deixa logo mais bonitos e com uma pele melhor. Hoje, porém, em vez de simplesmente dizer que não faz mal, vou contar-vos como pode até fazer bem!

aplicar base imagem

  • SPF – Há um grande debate sobre se a protecção solar que as bases têm é ou não tão eficaz como se gostaria, mas alguma eficácia tem. Ou seja, é melhor do que nada. Uma base com SPF, apesar de talvez não ser a protecção solar ideal, vai ajudar a eliminar o passo extra tantas vezes esquecido que é a aplicação diária de um protector solar até mesmo durante o Inverno;
  • Obriga à rotina de cuidado de pele – Quem nunca foi para a cama sem lavar o rosto porque lhe deu preguiça que atire a primeira pedra. Com maquiagem nunca dormi, mas confesso que houve dias em que, já que não tinha maquiagem e não, me deitei sem completar a minha rotina. O cansaço, o adormecer no sofá e ir sonambulamente para a cama acontecem, claro que sim, mas se soubermos que temos maquiagem, temos o incentivo que precisamos para nos lembrarmos que a pele deve ser lavada duas vezes por dia e hidratada logo de seguida;
  • Cria uma barreira – A maquiagem tem o poder de criar uma barreira entre a pele e a atmosfera, sendo que esta barreira pode ser maior ou menor dependendo do que se usa. Assim, protege a pele de tantas agressões que esta sofre dia-a-dia, nomeadamente da poluição que nos rodeia:
  • Ajuda em problemas específicos – há maquiagem para pessoas com borbulhas e pele oleosa que ajuda a “secar”, há maquiagem para pessoas com pele seca que ajuda a hidratar, há maquiagem para pessoas com rugas que ajuda a diminuir o problema… Uma boa maquiagem mineral é geralmente a minha recomendação quando se trata de uma pele que precisa de uma ajudinha extra a não ser que se trate já de uma pele muito enrugada.

Claro que para desfrutar dos benefícios é preciso usar produtos bons (não necessariamente caros) e que sejam adequados ao nosso tipo de pele.  Quanto à base, já falamos extensivamente sobre o assunto aqui no Invicta Maquiagem e deixo os links com mais informação:

A Base E O Tipo De Pele

A Cor E O Tom Da Base

Acabamentos Das Bases

 Bases Em Pó E Bases Minerais

Como Experimentar A Base

Como Aplicar A Base

Mitos Sobre A Base

%d bloggers like this: