Tag Archives: cuidados de pele

Cuidados de Pele – O Tipo de Pele

19 Nov

O primeiro post de cuidados de pele do Invicta Maquiagem versou sobre os tipos de pele e como os identificar. Continuo a ver tanta desinformação sobre o tema que não me canso de bater na mesma tecla! Revisitamos hoje este artigo de Março de 2012.

Invicta Maquiagem

Depois de pensar um pouco, achei que o melhor mesmo era “começar pelo começo”. Que sentido faria estar a recomendar produtos e tratamentos e dizer que eram excelentes para uma pele seca ou para uma pele oleosa se não cheguei a explicar como saber qual é qual? Aproveito a segunda-feira e o primeiríssimo artigo sobre cuidados de pele para colocar tudo em “pratos limpos”.

Infelizmente, não é fácil determinar o tipo de pele de cada um. Não só porque o tipo de pele muda consoante vários factores (que vamos discutir em breve), mas porque podemos ter características de um e de outro tipo de pele. Por exemplo, a minha pele é mista com tendência a oleosa e sensível. Vêm? São três tipos de pele no rosto de uma pessoa só! Vou tentar simplificar para que também possam determinar o vosso tipo de pele.

Pele Oleosa

A maioria de nós já teve este…

View original post mais 541 palavras

Cuidados De Pele – A Máscara Certa Para Mim

18 Nov

Nem sempre é fácil escolher estas coisas, partimos do princípio que a escolha deve ter por base o nosso tipo de pele e é bem verdade, mas há sempre mais qualquer coisa a ter em conta! Antes de mais, convém que saibamos o nosso tipo de pele.

máscara facial beleza

Pele Seca ou Sensível – É a pele que mais sofre com agressões, logo, não deve nunca descurar as máscaras para ajudar a hidratar e acalmar a pele. A máscara deve ser cremosa, sem caulino ou outro tipo de argilas e não deve ser do tipo que tem pequenas esferas esfoliantes.  Devem ser aplicadas em camada generosa, deixadas por 10 a 20 minutos e depois o excesso deve-se retirar com um disco de algodão sem esfregar. Uma boa máscara para pele seca trará um novo conforto à pele e, regra geral, podem ser deixadas durante a noite na pele desde que não contenham ácidos (ou seja, sirvam só para hidratar e não para rejuvenescer). A máscara hidratante da Avéne é a que mais gosto de recomendar.

Pele Oleosa – É o tipo de pele para o qual eu recomendo máscaras sem pensar duas vezes. Vai ajudar a controlar o óleo porque o absorve e e vai fazer uma limpeza mais profunda do que o regime de cuidados do dia-a-dia faz. As peles com acne podem e devem usar também máscaras, a minha favorita para pele oleosa e/ou acneica é a da Sampar que recomendo com imensa frequência, mas há boas máscaras de argila no mercado. O truque é usar a máscara de caulino/argila, deixar apenas 10 a 15 minutos conforme recomendado na embalagem (varia consoante a marca ou o produto em si) e usar logo de seguida uma máscara hidratante. Estamos a retirar óleo e logo a seguir a colocar hidratação, ou seja, a pele vai responder melhor e, com o tempo, a produção de óleo tenderá a diminuir. Também é uma excelente ideia para que a pele não fique demasiado sensibilizada. Já se sabe, depois de retirada a máscara para pele oleosa (deve-se retirar com água), é necessário aplicar hidratante ainda que não se deseje fazer a máscara hidratante.

Pele Mista – Geralmente é quem menos procura máscaras, mas não é que não beneficie delas! A pele mista a oleosa deve usar uma máscara para pele oleosa seguida de um bom hidratante e a pele mista a seca, deve usar uma máscara hidratante, porque hidratação nunca é demais. Uma auto-mini facial é sempre bem vinda, não é?!

As máscaras têm como principal objectivo dar um empurrãozinho ao tratamento que já fazemos, é um complemento que pode mudar tudo para melhor e, uma vez que nos habituemos a elas, não há volta a dar, apaixonamo-nos. Quem nunca experimentou deve fazê-lo na minha opinião, o quanto antes!

Maquiagem – Base Oil-Free

8 Nov

Parece simples, uma pele com excesso de óleo deve evitar os óleos nos produtos cosméticos logo deve usar produtos oil-free. Mas será assim tão linear?

base oil-free sem óleo

Os produtos oil-free em geral são adequados a quem tem a pele oleosa ou tendência para desenvolver acne e/ou outras reacções a produtos ricos em óleo. Há óleos adequados a quem tem a pele oleosa, mas estes costumam ser incorporados em tratamentos localizados e específicos (por exemplo óleo da árvore do chá para tratamento localizado de borbulhas) ou, então enquanto parte da limpeza da pele.

O que significa oil-free? Depende (infelizmente), de modo que é importante ler rótulos. Alguns produtos “oil-free” são livres apenas de óleo mineral, outros são só livres de óleos naturais (sendo que podem ter óleos sintéticos) e outros, raros, são completamente livres de óleos. Os produtos oil-free não terão nada com a palavra “óleo” e terão, na maior parte das vezes, ingredientes como propileno glicol, glicerina, e silicones no princípio da lista de ingredientes (entre o lugar 1 e o 5 na lista).

Os produtos oil-free substituem os óleos por substâncias que se comportam como óleos quando aplicados na pele com todos os seus benefícios inclusive o de protecção e de dar elasticidade à pele. Assim, estes “óleos subsitutos” servem de veículo apropriado ao principio activo do produto (ou seja, como uma base para a construção do produto boa e eficaz), mas que como não se misturam com os “verdadeiros” óleos, não são considerados óleos em si. Faz sentido? Fazem tudo o que os óleos fazem menos misturar-se com outros óleos, logo, não são exactamente óleos!

Como nota final nesta parte do artigo, digo apenas que para uma pele com tendência para o acne é muito mais importante um produto não comedogénico do que oil-free já que há óleos não comedogénicos que até vão fazer bem.

Vamos agora às recomendações de bases oil-free, que são três. Para cobertura leve a moderada, a Face & Body da Makeup Forever; para cobertura moderada a alta recomendo uma boa base mineral sem bismuto (a da Bare Minerals tem boa reputação bem como a da The Body Shop e da Bellápierre apesar da marca estar a trabalhar um bocadinho mal em Portugal no momento [Novembro de 2013]) e para cobertura alta, a Dermablend (base) da Vichy.

Cuidados De Pele – Camada Hidrolipídica

5 Nov

Para uma pele estar saudável, bonita e em boas condições, a camada hidrolipídica deve estar bem equilibrada. É a verdade universal da pele, se é que há uma. Mas afinal, o que é essa tal camada?

camada manto filme hidrolipídico

As denominações “camada”, “filme”, “manto” entre outras são muito comuns para designar exactamente a mesma coisa. É uma barreira externa ligeiramente ácida (pH 5.5) que temos e que a nossa pele produz para se proteger a si mesma. A pele protege o nosso interior e como ninguém a protege a ela, ela tem que fabricar o seu próprio “escudo”. Serve para nos proteger dos elementos e, mais, das bactérias más e dos fungos que há à nossa volta e que podem entrar em contacto com a nossa pele no dia-a-dia.

Numa pele saudável, o equilíbrio está presente entre o sebo (gordura/oleosidade) produzido pelas nossas glândulas sebáceas e a água (que vem essencialmente das camadas mais profundas da pele). Numa pele oleosa, há mais óleo; numa pele seca, há falta de óleo; numa pele desidratada há falta de água. É bastante simples na verdade, porém a proporção “correcta”, ideal, de óleo para água muda conforme a zona do corpo e é afectada pelo stress, nutrição, estação do ano, idade, hormonas…

Perturbar este filme pode ser bom ou mau! Se o perturbamos de modo a que deixe de funcionar efectivamente, o resultado é mau. Fazemos isso quando usamos detergentes fortes para limpar a pele retirando óleo em demasia, produtos com pH muito desadequado (particularmente o alcalino, como é, novamente, o caso de produtos de limpeza demasiado fortes), quando deixamos a pele desidratar (por não bebermos água suficiente e/ou não usarmos cremes adequados às nossas necessidades), quando nos expomos a condições ambientais extremas (muito frio, muito calor e sol)…  Quando a camada hidrolipídica é eliminada ou quase, acne, infecções fúngicas, eczema entre outras coisas podem surgir e todas as doenças latentes podem dar sinais de si como por exemplo a psoríase.

Então como podemos perturbar este equilíbrio de maneira boa? Como fazemos para que ele não seja tão delicado e resista bem às agressões do dia-a-dia? Damos-lhe bastante hidratação e usamos produtos adequados às nossas necessidades. Se temos uma pele oleosa e lhe damos óleo, pior fica; se temos uma pele desidratada e lhe damos óleo, nunca chegará o conforto porque não é isso que falta.

É sempre preciso conhecer e atentar no tipo de pele e usar produtos adequados, estarmos bem informados e aconselhados e, acima de tudo, pesquisar, pesquisar e pesquisar. Fazer perguntas, procurar informação e nunca comprar nada de cuidados de pele e de base só porque a emabalagem é lindinha ou porque toda a gente usa e fala bem sem se saber se é ou não próprio para nós.

Cuidados De Pele – Fechar Os Poros?

28 Out

Resolvi resgatar este post do túnel do tempo. Acho que ainda há imensas dúvidas sobre o assunto, vejo tanta asneirada a ser dita todos os dias que ainda não consegui perceber muito bem qual é a dúvida. Porém, fica novamente o exclarecimento (ou assim espero). A quem tenha problemas com poros dilatados (e não, não são abertos), posso recomendar um bom primer (o Porefessional da Benefit tem imenso silicone e cria uma película enquanto não começa a tratar o assunto) ou um tratamento intensivo (vejam ou re-vejam o fotodocumentário sobre o sérum da Sephora para um bom exemplo de “antes e depois”). Claro que a limpeza, o uso do tónico e, sobretudo, de um bom hidratante adequado ao tipo de pele duas vezes ao dia é o que vai funcionar, o resto são “empurrõezinhos” amigáveis. Espero que o re-post vos seja útil e que partilhem a vossa recém adquirida sabedoria.

Invicta Maquiagem

Fechar poros, encolher poros… só não ouve ou lê esta expressão e esta promessa de alguns cosméticos que não presta atenção mas, afinal, o que é que isso quer dizer?

Primeiro, o que são poros?  Os poros são as aberturas das glândulas na nossa pele que produzem os pêlos, a oleosidade e o suor. Temo-los por todo o corpo e quando ficam bloqueados, surgem borbulhas. Não são nada de outro mundo.

É verdade que em algumas zonas do corpo, em especial do rosto, eles são mais visíveis. Nariz, queixo e faces são os locais onde costumamos ver melhor os nossos poros. Quem tem a pele oleosa ou algum tipo de acne também tem tendência a  ter os poros mais visíveis. Numa pele lisa e com aspecto saudável, os poros não são visíveis a olho nu e é por isso que há interesse em fazer os poros parecerem o menor possível.

Mas…

View original post mais 184 palavras

Cuidados De Pele – Higiene E Cuidados Básicos Semanais e Mensais

22 Out

Ontem falámos do dia-a-dia, dos cuidados que devemos ter connosco mesmos todos os dias e ficou prometido que hoje falaríamos dos cuidados a ter mais espaçados no tempo. A saber:

máscara facial rosto tratamento

  • Lavar e hidratar o cabelo – é aconselhável que se lave o cabelo no máximo em dias alternados e no mínimo duas vezes por semana. Depois de anos e anos a fio a lavar o cabelo todos os dias, estou já desde o início do Verão a tentar habituar-me a lavar dia sim, dia não. Não está nada fácil, nem me sinto bem nos dias em que não lavo o cabelo, por isso eu mais do que ninguém compreende que pode não ser muito fácil adaptarmo-nos a este regime. Saber lavar o cabelo é importantíssimo, mas saber hidratá-lo, em especial para quem usa cabelo longo, também é. Contando que o produto seja de qualidade, que não nos cause alergia e que o nosso cabelo goste dele, está tudo bem. A máscara capilar deve ser feita uma vez por semana e o condicionador deve ser usado com uma frequência dependente do tipo de cabelo – em geral, cabelo quimicamente tratado, muito grosso ou seco deve ser hidratado a cada lavagem tendo em atenção que a máscara não deve chegar às raízes do cabelo;
  • Hidratação profunda ao cabelo – pode ser algo tão simples como colocar óleo de argão no cabelo e dormir com ele, lavando o cabelo na manhã seguinte ou pode ser um tratamento feito no cabeleireiro. Deve, de qualquer modo, ser feita uma vez por mês;
  • Máscara facial- Adoro. Adoro, adoro, adoro fazer máscaras. Se quando era adolescente adorava fazer máscaras de argila (tinha a pele muito oleosa) pela sensação de limpeza que me proporcionavam, hoje em dia adoro máscaras hidratantes pelo conforto que sinto com elas. Caseiras ou compradas, devem ser deixadas por 10 minutos salvo indicação contrária específica e retiradas com água morna a pender para o frio. Já agora, já que se vai tomar tempo para fazer a dita máscara, porque não uma auto-mini-facial? Uma vez por semana, não custa nada e faz muito bem!
  • Tratar das unhas – As unhas das mãos devem ser limadas uma vez por semana (a superstição diz que deve ser à segunda de preferência e nunca à sexta nem tampouco à noite, vai de cada um cumprir ou não). Ainda que se opte por usar as unhas longas, manter tamanhos uniformes e prevenir lascas é sempre bom. As unhas dos pés devem ser tratadas cada 2 ou 3 semanas, já que crescem a um ritmo muito mais lento. Falando em pés, em especial para quem passa muito tempo de pé, tratar também da secura fazendo uma boa esfoliação seguida de hidratação profunda ajuda a aguentar melhor as horas que se passa de pé. Falando em manicure e pedicure, ainda que caseiríssima, é a altura ideal para renovar verniz nas mãos e nos pés, caso se opte por usar o mesmo;
  • Esfoliação – especialmente a corporal! A facial pode ser feita diariamente com os produtos adequados e pode já estar englobada na auto-mini-facial, mas a esfoliação corporal passa mais despercebida. Manter a pele do corpo em boas condições todo o ano ajuda a poupar trabalhos de última hora quando chegar o Verão. Vale, claro, lembrar que depois de toda e qualquer esfoliação é obrigatório usar um hidratante;
  • Corte e retoque (cabelo) – para quem pinte, é necessário manter essas raízes bem controladinhas, pintando a cada 4 a 6 semanas – quanto mais distante do tom natural for a cor escolhida, menos tempo se poderá permitir entre pinturas. Quanto ao corte, cabelos mais curtos ficam desalinhados mais cedo mas o máximo do máximos, todos os cabelos devem passar pela tesoura uma vez a cada 3 meses.
  • Depilação – pode ser feita várias vezes por semana (lâmina ou creme, por exemplo), uma vez por mês (cera) ou não ser feita (no caso de não se querer, claro, e no caso de se ter feito depilação definitiva).

Cuidados De Pele – A Pele De Um Fumador

8 Out

Já sabem que não sou de dar sermões a ninguém sobre fumar, mas os factos são os factos e penso ser bom falamos do que é que o cigarro faz à pele! Afinal, saber não ocupa lugar!

pele fumador lábios fumo

Há duas maneiras rápidas, fáceis e mais do que certas de nos fazer parecer bem mais velhos do que somos e que não incluem maquiagem! Uma é ficar a tostar ao sol, a outra é fumar. O problema maior de fumar é que não afecta só o exterior, afecta até mais ainda o interior.

Fumar de maneira crónica (ou seja, ter o hábito de fumar), priva a pele de oxigénio e nutrientes que são os elementos essenciais para que esta funcione bem. Para começar, há logo uma grande influência no tom de pele: algumas pessoas perdem o tom rosado e saudável das faces, outras pessoas ganham um tom amarelo por toda a pele e, mais comum até, outras pessoas ficam com o tom de pele muito menos homogéneo. Qualquer mancha de origem hormonal ou causada pelo sol vai ficar pior, mais óbvia e aparecer muito mais cedo do que se não se fumasse. Outra grande influência é no colagénio e na elastina, que são responsáveis pela elasticidade da pele; se estiverem em falta ou em deficiência, a pele fica flácida muito mais rapidamente. Mesmo se não houver grandes alterações de peso, a área em torno dos olhos, a zona em baixo do queixo (vulgo, papada), os seios e a parte de baixo dos braços são os primeiros locais a dar sinal da flacidez da pele!

Claro que há a questão das rugas, em especial ao redor da boca, o famoso “código de barras”, mas não é só! As tais rugas em torno dos lábios são causadas pela perda de elasticidade da pele e também pelo movimento constante dos lábios ao fumar, ou seja, é uma agressão dupla. Porém, a restante pele, em especial a do rosto e das mãos, acaba por sofrer também danos vindos de dentro (da falta de sangue para irrigar as células e manter o nível de oxigénio e nutrientes necessário) e de fora, por estar sempre a levar com o fumo. Outra agressão dupla!

Outros malefícios para a aparência incluem o estrago dos dentes (e todos sabemos que um sorriso bonito faz de nós muito mais atraentes), manchas nos dedos, perda de cabelo e há também estudos que relacionam o fumo com uma maior incidência de doenças auto-imunes como a psoríase.

Deixar de fumar é a melhor maneira de por um travão nos danos que se está a fazer à pele (e aos órgãos internos). Há grupos de ajuda e médicos especializados que podem ser uma grande ajuda!

Perguntas E Respostas 28: Será Que O SPF Do Creme De Dia Chega?

23 Set

A Luzia perguntou via e-mail: 

Olá Micky. Sigo atentamente o teu blog e já me apercebi que dás muita ênfase à protecção solar. Costumas recomendar o uso diário de protector solar e então eu comprei um creme com SPF 15. Achas que chega em termos de protecção solar? E normalmente dizes que é preciso reaplicar o protector solar, eu nunca reaplico o creme (só aplico de manhã e à noite uso outro de outra marca). O que devo fazer? 

Perguntas e Respostas

Olá! Obrigada pelo teu email, se há coisa que eu gosto é receber emails dos meus leitores. A tua dúvida tem toda a razão de ser, na verdade nem sequer há muitos consensos. O SPF 15 bloqueia cerca de 93% dos raios solares e o 30, 97% dos mesmos, de modo que dependendo do teu fototipo, um SPF 15 pode ser perfeitamente suficiente.

Penso que na tua questão te referes mais particularmente a se o facto de usar um creme de dia te protege efectivamente. Há várias teorias, mas vou dizer-te aquela que me parece fazer mais sentido. O creme de dia chega e não chega ao mesmo tempo, depende muito da vida que levamos. Para começar, um creme de qualidade estará feito e estudado para que a quantidade média que se aplica corresponda à quantidade que dá a protecção adequada.

Outra questão prende-se com o facto de que ninguém aplica creme de dia nas orelhas, no pescoço (na mesma quantidade que aplica no rosto), nas mãos e na nuca. Se se tem cabelo comprido e não se usa grandes decotes, o problema das orelhas e nuca está resolvido, o do pescoço e das mãos está menos mal se se evitar o sol em geral mas em particular nas horas de mais incidência de raios solares (das 11h às 16h), porém não será o caso para toda a gente.

Quanto a reaplicar, alguns médicos dizem que se se usar base por cima e que se a base ainda estiver na pele, a protecção solar que se colocou por baixo ainda está em condições de funcionar adequadamente. Não sei se concordo muito com isto, parece-me pouco fidedigno e não encontro grandes estudos quanto a isso…

A minha resposta final é que o creme de dia com protector solar está bem para o uso do dia-a-dia, mas se houver possibilidade de estarmos ao sol sem ser só nas pequenas distâncias do dia-a-dia citadino, então há a necessidade de um protector solar que seja reaplicado especialmente no Verão ou quando está muito sol. Há protectores solares especiais para o rosto, talvez valha a pena investir num se acaso passas muito tempo ao ar livre.

Obrigada pela tua questão!

Cuidados De Pele – Supermercado vs. Perfumaria vs. Farmácia

17 Set

A eterna guerra! Será que há mesmo diferenças que justifiquem as disparidades de preço?

farmácia perfumaria supermercado

 Haverá vantagens e desvantagens em comprar seja onde for, e cabe a cada um fazer as suas escolhas. Porém, há coisas que devemos saber.

Supermercados – Os preços são mais em conta e os produtos são, muitas vezes, de marcas nossas conhecidas devido à publicidade intensiva. A meu ver as principais desvantagens é que raramente temos testers para conseguir ver texturas e aromas, os produtos são quase sempre facilmente abertos por outras pessoas (já que não há ninguém a tomar conta) e não há maneira nenhuma de termos quem conheça os produtos e nos aconselhe. Mesmo que haja um(a) promotor(a), ele/ela só vos vai recomendar os produtos da marca ou marcas que lá está a representar. Regra geral, relacionamos os produtos de supermercado a uma menor qualidade, e por vezes, com determinadas marcas, até é verdade. Conseguem baixar os preços porque a matéria prima é, em certos casos, de uma menor qualidade e quando os ingredientes são piores, o produto final deixa a deseja. Hoje em dia já se vê uma preocupação maior em recomendar cada produto a cada tipo de pele, o que é muito bom, mas duvidem sempre de produtos com muito pouca informação na embalagem. Se querem e precisam comprar em grandes superfícies e não conhecem o produto em si, façam uso dos recursos que têm disponíveis, nomeadamente na Internet e pesquisem opiniões de outras pessoas! E lembrem-se também que o barato sai caro – em questões de pele principalmente, trata-se de um investimento na nossa saúde.

Farmácia – Os preços são muito semelhantes ao que encontramos em muitos dos produtos de supermercado, mas com uma outra qualidade porque muitas das marcas são recomendadas por profissionais (dermatologistas, esteticistas e farmacêuticos). Muitas vezes até há promoções e há sempre a possibilidade de pedir este ou aquele produto que a farmácia não tem mas pode encomendar. Há um aconselhamento de profissionais treinados para poder ajudar (claro que, como em todo o lado, há bons e maus profissionais), os produtos são apresentados aos funcionários para que entendam bem para quem e para o quê é este novo produto e em alguns produtos há amostras e testers. Posso até ser suspeita (por ser quase Farmacêutica), mas recomendo muitíssimo os produtos de cuidados de pele de farmácia, tanto de rosto como de corpo. Uma boa farmácia vai saber ajudar-vos a escolher e ter sempre aquela atenção especial e “follow up”, perguntando-vos se estão a gostar do produto que vos foi recomendado. Quando alguém me pede indicações de produtos a bom preço, viro-me sempre para as marcas de Farmácia. Faço aqui a ressalva de que nas Parafarmácias que também vendem cuidados de pele é muito raro a pessoa que está atrás do balcão estar preparada para vos ajudar como um Farmacêutico estaria e que quase nunca têm o conhecimento do produto que tem um funcionário de uma Farmácia.

Perfumaria – Uma boa perfumaria tem funcionários qualificados para ajudar, por isso nem quero ir por este debate. Também há a questão da escolha que temos, que é muito maior – não sei até que ponto isso é bom, eu sou daquelas pessoas que, quando tem escolha a mais acaba por não comprar nada e vir para casa de mãos a abanar por não ter conseguido decidir. De resto, a grande diferença entre os produtos de perfumaria e de farmácia é, não o preço, mas a consumidor a que é dirigido. Os produtos de perfumaria têm embalagens mais bonitas e luxuosas, pesadas, brilhantes, de marca, com um perfume agradável… Pagamos tudo isto a peso de ouro (e o facto de a lojista ser comissionista, coisa mais rara em farmácia, também pesa)! Alguns produtos são bons, outros nem tanto (acontece o mesmo no supermercado e na farmácia), mas o luxo da embalagem e da marca, da textura inovadora que nada mais faz do que ser inovadora e diferente para justificar o preço são pagos e bem pagos. Posto isto, confesso-me viciada em produtos de perfumaria, como já devem ter reparado. Shiseido, Clarins, Clinique… Vocês sabem, afinal lêm as minhas reviews e sabem o que compro.

Maquiagem – Aplicação De Base Em Pele Seca

13 Set

Aplicar a base da maneira mais adequada é tão importante quanto escolher o produto certo, tanto mais em peles que estejam nos extremos: seca ou oleosa. Hoje o post é dedicado a pessoas de pele seca e à melhor maneira de aplicarem base.

pele seca base aplicar dicas

Claro que a escolha da base é importante (e falei disso há uns 500 anos aqui), resumindo, uma base líquida ou cremosa e que seja hidratante é o que mais vai beneficiar uma pele seca. Se a base for bastante leve também estará a ajudar-nos porque sabemos que não ficará “presa” ou acumulada em locais específicos onde a pele esteja, por acaso, mais seca.  Geralmente pessoas de pele seca preferem acabamentos mais luminosos e reflectores e fogem do aspecto mate o que é bastante inteligente porque dá sempre um aspecto de uma pele mais hidratada e jovem (a pele seca tende a envelhecer muito mais depressa!).

Outra escolha de produto é o primer! É essencial porque vai manter a hidratação do creme que já se utilizou já que cria uma barreira, ai fixar a base e impedir que ela fique “empastada” e, novamente, acumulada em zonas mais secas da face onde a base tem tendência a ficar agarrada. Espalhar a base vai também ser mais fácil, o que é bom porque o excesso de manipulação numa pele seca é prejudicial. Hoje em dia no mercado já há primers para todos os gostos, desde os anti-rugas até aos iluminadores, o importante para quem tem a pele seca é evitar o que prometa ser “matificante” e reduzir o tamanho dos poros, já que estes produtos são mais dedicados a quem tenha brilho e poros visíveis, ou seja, tenha excesso de produção de óleo/pele oleosa.

Agora o real tema deste artigo: o método de aplicação. Afinal é por isso que aqui estão! Métodos que envolvam muita fricção, nomeadamente o uso de pincéis estilo kabuki e língua de gato (o tradicional de base), o passar com o a mão e até mesmo com a esponja são desaconselhados. Causam uma micro esfoliação  que não é benéfica para a pele seca porque levanta as células secas e deixam a pele sensibilizada e a base mais irregular. O ideal para a pele seca é o uso de um pincel de dupla fibra!

Para aplicar a base líquida ou cremosa com este tipo de pincel é necessário usar as cerdas brancas para apanhar produto e dar leves batidinhas na pele para o depositar. Movimentos circulares tão leves quanto possível servem só e apenas para esbater o produto em locais onde o produto ficou depositado em demasia.

A conclusão é que, para pele seca e também para pele sensível, quanto menos o contacto o método de aplicação escolhido envolver, melhor para a saúde da pele e melhor para o acabamento da base a nível de aspecto.

%d bloggers like this: